Marks & Spencer financia reciclagem

Como parte dos planos para se tornar um negócio com emissões líquidas zero até 2040, a retalhista britânica alocou um milhão de libras de financiamento para projetos pioneiros na área da reciclagem têxtil.

[©M&S]

O chamado Fundo de Aceleração do Plan A (a estratégia da Marks & Spencer para reduzir o seu impacto no planeta) vai permitir que a retalhista trabalhe com novos e atuais fornecedores para tomar «medidas rápidas» para chegar ao seu objetivo de zero emissões líquidas.

Um dos primeiros projetos financiados por esta iniciativa é um programa de teste de reciclagem da fibra à fibra com as lojas Oxfam, com a M&S a afirmar que será «o primeiro do género».

Os consumidores serão convidados a doar vestuário em fim de vida à associação, juntamente com as suas doações de vestuário reutilizável. Os artigos que não podem voltar a ser usados serão limpos e usados para fazer novas matérias-primas.

O projeto-piloto faz parte do ACT Textile Waste Project, liderado pela UK Fashion and Textile Association, que tem como meta desenvolver uma unidade automática de triagem e processamento no Reino Unido para substituir a seleção manual de vestuário usado.

A Marks & Spencer afirma que este projeto vai evitar que o vestuário acabe em aterro e que o mesmo apoia uma economia circular para a moda.

Um outro projeto-piloto vai usar a inteligência artificial para prever condições ótimas para os níveis de aquecimento, ventilação e ar condicionado em seis das suas lojas para reduzir o consumo de energia.

A M&S estima que o programa pode poupar até 2.000 toneladas de carbono e cerca de 3 milhões de libras por ano se for aplicado em todas as lojas.

Outros projetos incluem a exploração de hidrogénio verde através de tecnologia de eletrólise usando energia solar ou eólica para substituir combustíveis fósseis, um programa-piloto de reciclagem de calçado e tecnologia agrícola que usam fertilizantes baixos em carbono, controlos biológicos e veículos agrícolas autónomos e drones para o cultivo de colheitas.

A retalhista planeia anunciar mais projetos que serão financiados por este Fundo de Aceleração nos próximos meses.

«Falo muitas vezes da “magia da M&S” e uma parte importante disso é o nosso compromisso para com a inovação. Está no nosso ADN e, juntamente com o nosso modelo único de marca própria, parcerias de longo prazo com os fornecedores, é como conseguimos dar a qualidade e confiança que os nossos clientes esperam de nós», afirma Stuart Machin, CEO da M&S. «Ao transformar a nossa obsessão com inovação para as alterações climáticas e aproveitar o espírito empreendedor dos nossos fornecedores, podemos acelerar o nosso impulso para sermos um negócio de emissões zero em todas as nossas operações e cadeia de aprovisionamento até 2040. Estou entusiasmado com a grande diferença que estas pequenas mudanças podem fazer em relação a alguns dos desafios mais difíceis que enfrentamos nas alterações climáticas», acrescenta.

Em janeiro, a Marks & Spencer anunciou um aumento de 7,2% nas vendas do terceiro trimestre, para um valor próximo dos 4,5 mil milhões de euros.