Mango estreia-se no algodão de agricultura regenerativa

A retalhista espanhola vai começar a usar algodão proveniente de agricultura regenerativa, graças a uma parceria com a Materra. Os primeiros artigos produzidos com esta matéria-prima deverão chegar ao mercado no próximo ano.

[©Mango]

Com esta parceria com a Materra, uma empresa anglo-indiana especializada na conceção de soluções regenerativas de cultivo e abastecimento de algodão, a Mango deverá melhorar as suas credenciais de sustentabilidade, ao contar pela primeira vez com algodão cultivado através de práticas agrícolas regenerativas, que geram um impacto ambiental positivo para o território, a biodiversidade e para as pessoas envolvidas na produção.

Além disso, destaca em comunicado, a retalhista contará, pela primeira vez, com rastreabilidade completa da cadeia de valor do seu algodão, desde a semente até à peça de vestuário. Para isso, os agricultores na Índia irão recolher dados do solo e das culturas através da plataforma digital da Materra, batizada Co:Farm, que permitirá à Mango monitorizar a evolução de indicadores como a fertilidade, a saúde e a quantidade de nutrientes no solo, o uso de água, máquinas e pesticidas ou o tamanho da parcela utilizada, entre outros.

«Enquanto empresa de moda global, temos uma vontade clara: contribuir para a criação de uma sociedade mais justa e reduzir o impacto da indústria da moda no ambiente», afirma Andrés Fernández, diretor de sourcing e sustentabilidade da Mango «É por isso que estabelecemos parcerias com parceiros importantes como a Materra, que nos ajudarão a acelerar o nosso caminho para garantir que 100% das fibras que utilizamos sejam sustentáveis até 2030. O produto está no coração da Mango e a sustentabilidade faz parte da nossa razão de ser há mais de 20 anos. É por isso que continuaremos a esforçar-nos para inspirar o mundo através de coleções responsáveis tanto pelo ambiente como pelo que nos rodeia», sublinha.

Com sede em Londres, no Reino Unido, e em Ahmedabad, na Índia, a Materra ajuda os agricultores a implementar um sistema resiliente ao clima para o cultivo de algodão. A empresa desenvolve programas customizados de cultivo e aprovisionamento, bem como aplicações online que apoiam os agricultores, ao mesmo tempo que recolhem dados de impacto de Nível 4 em tempo real no processo, dando assim às marcas a oportunidade de aceder a matérias-primas verdadeiramente rastreáveis, esclarece a retalhista espanhola.

Incorporar fibras e processos mais sustentáveis é um dos eixos estratégicos da Mango, que lançou a estratégia Sustainable Vision 2030, que tem como objetivo criar produtos e coleções cada vez mais sustentáveis, reduzindo o seu impacto no planeta e trabalhando para uma total transparência e rastreabilidade da sua cadeia de abastecimento.