Makro acusada de vender falsificações da Calvin Klein

A cadeia de “cash and carry” Makro, foi processada por vender jeans falsificados da marca Calvin Klein, apesar de ter feito uma acordo fora dos tribunais com a empresa Calvin Klein. Os produtos foram fornecidos à Makro Cash & Carry em 2002 por um fornecedor que os tinha conseguido através de uma empresa de importação. A Makro referiu ter usado uma reputada empresa para verificar se os artigos seriam ou não falsificados antes de os comprar para distribuir na União Europeia, e que a empresa, não identificada, terá afirmado que os produtos teriam vindo directamente da Calvin Klein Italy. O porta-voz da Makro afirmou que empresa acreditou que uma factura que supostamente seria da Calvin Klein evidenciava a autenticidade dos artigos. «A Makro confiou na empresa e comprou os jeans em boa-fé», explicou. «Mas, aparentemente, esta empresa não confirmou a sua autenticidade, levando a Makro a vender jeans que na realidade não eramoriginais». Após a Makro ter sido abordadapor alegadas infracções à marca registada, os produtos foram imediatamente retirados. A empresa resolveu depois a questão amigavelmente com a Calvin Klein em 2003, afirmou o porta-voz da Makro. No entanto, as autoridades prosseguiram com a acusação contra a Makro, baseada na legislação da marca registada e comercial. O porta-voz afirmou que «a Makro vê-se como vítima das acções e falhas de outros, que já foram reconhecidas pelo Tribunal». «Contudo, não vamos apelar em relação à decisão. A Makro esforçou-se para assegurar que os produtos são da mais alta qualidade e autenticidade. A Makro Cash & Carry lamenta o incidente. Em nenhum momento, a Makro tentou deliberadamente enganar ou iludir ninguém». O porta-voz afirmou que a Makro reviu o seu procedimento de autenticidade para assegurar que tal incidente não acontece novamente. Entretanto, a Calvin Klein não comentou esta situação.