Maiores descontos em 2005

A maioria das cadeias de retalho baixaram os preços na semana passada numa última tentativa de atrair os compradores no último fim-de-semana antes do Natal, mas esta acção poderá vir a prejudicá-los ao baixar as suas margens de lucro, afirma Goldman Sachs. «O super sábado mostrou um elevado aumento da actividade promocional», explicou o banco de investimento numa nota aos clientes, referindo-se ao último sábado antes do Natal, que é tradicionalmente o dia mais movimentado da época.

 

Ao contrário do frenesim das compras que se vive no sábado a seguir ao Dia de Acção de Graças, o tráfico de pessoas às compras foi «visivelmente fraco» durante todo o dia, afirma Goldman. No entanto, «os consumidores parecem não ter muita urgência, talvez esperando as compras de última hora na véspera de Natal», acrescenta.

 

O aumento das promoções no último fim-de-semana é muito significativo, porque a maioria das lojas já começaram os seus descontos em Novembro. Os retalhistas tornaram-se mais agressivos na corrida para o Natal, «vemos aumentar a  pressão das margens do quarto trimestre dos ganhos por acção», afirma Goldman.

 

O banco de investimento também prevê «tempos difíceis» para os retalhistas durante o próximo ano, devido aos elevados preços da energia e outras pressões que possam impedir o gasto dos consumidores.

 

As acções dos retalhistas especializados estavam misturados, com as acções da Gap Inc., o maior da categoria, a descer 20 cêntimos para 18,04 dólares na Bolsa de Nova Iorque, e a Aeropostale Inc. a 66 cêntimos, ou 2,7 por cento para 23,97 dólares.

 

As acções da Urban Outfitters Inc. aumentaram 33 cêntimos para 26,60 dólares na Nasdaq, enquanto as acções da Hott Topic Inc. caíram 21 cêntimos, para 14,65 dólares. O indicador da retalhista Standard & Poor’s caiu 0,8 por cento na tarde comercial.

 

Baseado numa avaliação de 40 retalhistas de vestuário e acessórios localizados na área metropolitana de Nova Iorque, Goldman registou que 83 por cento fizeram mais promoções no sábado, quando comparadas com os 73 por cento registados no ano anterior.

 

Cadeias com maior aumento na actividade de promoção, incluindo a American Eagle Outfitters Inc., Bebe Stores Inc., Charlotte Russe Holding Inc., Pacific Sunwear of California Inc., J. Crew e a Gap, juntamente com as cadeias possuídas pela Gap como a Banana Republic e a Old Navy.

 

Retalhistas como a American Eagle, Bebe, J. Crew, Urban Outfitters e a Limted Brand’s Inc.’s Victoria’s Secret aumentaram as suas promoções este ano, depois de terem registado um declínio no ano anterior.

 

Entre as poucas cadeias que evitam as promoções neste fim-de-semana estão a Abercrombie & Fitch Co. e a retalhista de artigos de pele Coach Inc., afirma Goldman.

 

As opiniões de Goldman foram partilhadas também por outros analistas. Merrill Lynch registou que as promoções no último fim-de-semana antes do Natal «foram bastante mais agressivas, tal como já era esperado», com a American Eagle e a Aeropostale a registar as maiores vendas.

 

No entanto, quatro dos 10 dias com maior volume de vendas continuam à frente para os retalhistas, que também têm o benefício de um sábado extra este ano. Quase 19 por cento do gasto total nesta época festiva ocorre nos sete dias anteriores ao Natal, afirma Merrill.

 

Os retalhistas que estão especialmente dependentes nas vendas da última semana incluem lojas de jóias como a Tiffany & Co. e a Zale Corp., devido aos homens que deixam as compras para o último minuto, afirmou Merrill. As acções da Tiffany caíram 26 cêntimos para 38,91 dólares, enquanto as da Zale desceram 60 cêntimos, ou 2,3 por cento, para 25,81 na NYSE.