Maconde prepara deslocalização para Leste

A reestruturação da Maconde passa não só pela criação da SGPS como também pela autonomização das áreas industrial e de retalho. A empresa de Vila do Conde tem vindo a reforçar os capitais próprios para preparar a deslocalização da produção de vestuário subcontratada em Portugal – que representa 50% das vendas totais de vestuário da empresa – para países do Leste europeu Segundo adianta ao Diário Económico o administrador da Maconde, Ricardo Tavares, apesar da deslocalização não estar prevista no curto prazo, a Roménia “é uma boa hipótese”. Marrocos é um bom exemplo. A empresa possui uma fábrica neste país, cujo investimento começou pela subcontratação local. No exercício de 2000-2001, a Maconde apresentou um lucro consolidado de 4,5 milhões de euros, uma quebra de 13,3% face ao ano anterior. Esta descida é justificada por uma margem de lucro menor, apesar da facturação consolidada ter registado um crescimento moderado de 3% ao situar-se nos 133,8 milhões de euros. A empresa-mãe, Maconde Confecções, é responsável por um volume de negócios de 104,8 milhões de euros. A Maconde conta com 39 lojas próprias de pronto-a-vestir e uma franchisada, com a insígnia Macmoda, que registaram um crescimento insignificante ao atingir os 41 milhões de euros. Os resultados operacionais consolidados rondaram os 10,8 milhões de euros, em comparação com os 9,5 milhões do exercício de 2000.