Luís Onofre eleito para terceiro mandato na APICCAPS

O empresário vai liderar a Associação Portuguesa dos Industriais de Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos por mais três anos, com um mandato focado no investimento e internacionalização das empresas.

[©APICCAPS-João Saramago]

Luís Onofre liderou uma lista única constituída por uma equipa de 26 pessoas, que vão conduzir os destinos da associação empresarial nos próximos três anos. O empresário terá a companhia de Joaquim Moreira, da Felmini, como presidente da Assembleia-Geral, e de Domingos Ferreira, da Camilo Martins Ferreira & Filhos, como presidente do Conselho Fiscal.

«Nos últimos anos, a Covid-19 afetou a nossa atividade» e os sectores exportadores «tiveram de enfrentar as consequências de uma guerra na Ucrânia, em particular ao nível da inflação, e do abrandamento económico nos nossos principais mercados», destaca Luís Onofre.

Neste cenário, refere, o Cluster do Calçado apresentou um novo Plano Estratégico para a próxima década, que tem como grande objetivo transformar «a indústria portuguesa de calçado numa grande referência ao nível do desenvolvimento de soluções sustentáveis», adiantando que estão já dois grandes projetos em curso no âmbito do PRR, que pressupõem um investimento total próximo dos 140 milhões de euros.

No novo mandato, sublinha Luís Onofre, «teremos uma equipa reforçada de empresários a liderar a APICCAPS. Juntos procuraremos implementar o que propusemos no plano estratégico com uma atenção particular para as ações relacionadas com a internacionalização das nossas empresas. Nesta fase, em que as economias internacionais continuam com crescimentos económicos muito modestos, será determinante a nossa capacidade de, em conjunto, chegarmos a novos mercados e clientes e progredir para seguimentos de maior valor acrescentado».

Nos próximos meses «importa que a APICCAPS e as empresas associadas possam, uma vez mais, dar uma prova de grande resiliência e capacidade de investir», acredita.

Constituída por mais de 1.500 empresas, responsáveis por 40.000 postos de trabalho, a fileira do calçado e artigos de pele exporta mais de 90% da sua produção, o que representou, em 2022, segundo a associação, o equivalente 2,4 mil milhões de euros.  Na última década, as exportações deste tipo de artigo aumentaram cerca de 50%, realça a APICCAPS.

O retrato do sector aponta para uma forte aglomeração geográfica, com a produção de calçado e artigos de pele concentrada em duas áreas: nos concelhos de Felgueiras e Guimarães, por um lado, e Santa Maria da Feira, Oliveira de Azeméis e S. João da Madeira, por outro. Em conjunto, estes cinco concelhos representam mais de três quartos do emprego. Mais a sul, na zona da Benedita, encontra-se outro polo que, indica a associação, «ainda que apresente menor expressão quantitativa, continua a ser muito relevante».