Louis Vuitton vence nova batalha contra artigos falsificados

A marca de artigos de luxo Louis Vuitton venceu uma nova batalha contra os artigos falsificados com uma “injunção” contra os proprietários da New York’s Canal Street. Donos de sete propriedades do bem conhecido “Canal Street Corrido” concordaram agir de forma a prevenir a venda de artigos contrafeitos da Louis Vuitton pelos seus inquilinos. De acordo com os termos do acordo, feito através do US District Court for the Southern District of New York, os proprietários irão afixar sinais dentro e fora das propriedades incluídas no caso, determinando que o retalhista não está autorizado a vender mercadoria Louis Vuitton. Os senhorios vão também fornecer total acesso, e pagar os custos de um monitor do tribunal para conduzir procuras frequentes de ambas as áreas, pública e privada, dos edifícios de forma a prevenir a venda de qualquer artigo Louis Vuitton, mais uma provisão para alugar os contratos banindo a venda de artigos contrafeitos nas premissas, e imediatamente agir para expulsar qualquer inquilino que esteja em posse de produtos Louis Vuitton falsificados. A Louis Vuitton entrou anteriormente em alguns acordos legais com senhorios em 2005. Há agora 18 edifícios em conjunto com a “Canal Street Corridor” – uma área largamente reconhecida pela contrafacção – coberta pelas “injunções”, que incluem uma vigilância frequente para prevenir a posse e distribuição de artigos infringindo os direitos de propriedade das marcas. Nathalie Moulle Berteaux, directora do desenvolvimento da propriedade intelectual para a Louis Vuitton do grupo LVMH afirmou que «a força que estamos a ganhar na nossa impiedosa luta contra a contrafacção é enorme, não apenas nos Estados Unidos mas também noutros mercados em todo o mundo». «Ao trabalhar de perto com as autoridades legais e outros possuidores de marcas registadas e incentivando outros e ajudar e a responsabilizar os produtores de artigos contrafeitos pelas acções criminosas de contrafacção, nós estamos a tentar colocar um travão na distribuição de artigos falsos.» «Quem procura comprar artigos Louis Vuitton na “Canal Street” vai agora enfrentar uma nova forma de perigo de seguir um estranho por escadas escuras até uma sala escondida, que serve tanto para aterrorizar compradores que temem pela sua segurança como uma forte lembrança de que a venda de artigos contrafeitos é crime».Berteaux afirmou que haverá ainda muito trabalho a ser levado a cabo na batalha contra falsificações e que a empresa está a expandir o programa localmente, tendo conseguido também uma recente vitória contra o dono e operador do shopping de Pequim “Silk Street”.