Lobo Marinho ao bolso

Saltou das passadeiras vermelhas para o estilo de rua e poucos são os homens que abdicam deste acessório para um extra de sofisticação nos seus coordenados. O lenço de bolso é dobrado de várias formas, tem infinitas variantes e pode ser encontrado numa marca nacional que lhe dedicou toda a atenção – a Lobo Marinho.

A Lobo Marinho nasceu em 2013, pelas mãos de André Marinho, que era então estudante universitário mas ambicionava ter um produto assinado por si no mercado, como conta ao Portugal Têxtil. Os lenços de bolso – acessório que concentra todas as atenções da marca – surgiram para colmatar uma falha que André Marinho encontrou no menswear .«Para além de não querer depender de mínimos de produção industriais, quis preencher o que senti ser um vazio no mercado no que tocava a lenços de bolso com padrões mais descontraídos para uso no dia-a-dia, seja em situações formais ou informais», revela sobre o nascimento da Lobo Marinho.

Partindo do algodão como matéria-prima, a coleção é «contínua e limitada». Ou seja, «cada padrão tem um número limitado de unidades e quando esgota é substituído por um estampado novo», explica o fundador da marca. Com preços que rondam os 25 euros, todos os lenços são feitos à mão por duas colaboradoras.

A rede de revenda toca já diferentes pontos do globo e os lenços de bolso da Lobo Marinho podem ser encontrados no Porto, nas lojas Daily Day, Feeting Room e La Punta, em Lisboa, na Loja das Meias, UOY e Embaixada, e em Londres, na Trunk Clothiers.

A par disso, os lenços estão ainda à venda em todas as lojas da revista de lifestyle Monocle (Londres, Tóquio, Hong Kong, Singapura, Nova Iorque, Toronto) – com quem a marca firmou parceria em 2015, renovando a aliança em 2016. «Em contraste com a industrialização da moda, a Lobo Marinho cria lenços de bolso feitos à mão com precisão e cuidado, em Portugal», pode ser ler-se no website da publicação.

Dentro das vendas da marca, o mercado nacional tem um peso de 15% a 20%, com Inglaterra, Alemanha e EUA em destaque dentro dos destinos internacionais. Em 2017, as conquistas fora de portas tenderão a crescer, considerando a recente abertura da loja online.

Para o futuro, antecipa André Marinho ao Portugal Têxtil, os planos passam pela «diversificação da gama de produtos e pela aposta crescente na internacionalização».