Li & Fung está imparável – Parte 1

À medida que os retalhistas na Europa e nos EUA se preparam para os próximos meses de queda nas vendas e milhares de fábricas no Oriente são forçadas a fechar, existe pelo menos um director que está atento às oportunidades da recessão mundial: Bruce Rockowitz, presidente da Li & Fung Trading, o maior grupo de aprovisionamento do mundo, que está a responder bem à procura por preços mais baixos. «Quando as coisas estão bem, não existe necessidade de mudar e há inércia. As pessoas estão muito confortáveis com a sua oferta. Mas quando correm mal, as pessoas procuram formas alternativas de fazer as coisas», afirma Rockowitz. A situação raramente esteve tão mal como agora, acredita o veterano com 30 anos de experiência no comércio de vestuário, que chefiou a Colby Internacional antes da sua aquisição pela Li & Fung, em 2000. Mesmo antes do abrandamento no ano passado, a Li & Fung tinha vindo a crescer rapidamente, ceifando os importadores norte-americanos e oferecendo aos grandes retalhistas uma via mais directa a milhares de fornecedores cuidadosamente geridos. «À medida que as pessoas ficam mais sofisticadas, tendem a querer comprar mais directamente», sustenta Rockowitz. O negócio com o retalhista norte-americano Kohl’s, o maior cliente da Li & Fung em termos de volume, aumentou 16 vezes nos últimos 11 anos, de acordo com Rockowitz. Este ano deverá continuar a crescer, com o grupo de aprovisionamento a gerir novas categorias de produtos, captando assim ainda mais quota de mercado dos importadores. Rockowitz acredita que outros retalhistas que enfrentam vendas mais lentas vão também recorrer à Li & Fung. «Temos uma ampla cobertura internacional para o aprovisionamento. Somos capazes de oferecer bons preços… o que as pessoas precisam nos maus momentos. Estamos agora num ciclo em que o preço é primordial», acrescenta o responsável. A enorme escala da Li & Fung, com fontes de fornecimento em 40 países diferentes, concede-lhe uma margem num clima de grande sensibilidade com o preço. Considerando apenas a China, a empresa possui entre 3.000 a 4.000 fornecedores, segundo Rockowitz, fornecendo clientes em cerca de 100 países. Os retalhistas são incapazes de criar uma cadeia de fornecimento equivalente ou obter os mesmos preços. «Normalmente, um retalhista precisa de 4.000 a 5.000 fábricas na cadeia de fornecimento. Não é possível gerir esse tipo de negócio à distância», explica o presidente da Li & Fung Trading. A pressão actual sobre os retalhistas é tal que, mesmo aqueles que possuem os seus próprios gabinetes de aprovisionamento, estão agora a delegar essas operações para aumentar a eficiência. «Isso representa novas oportunidades de negócio para a Li & Fung», diz Rockowitz, apontando como exemplo o negócio, que deverá ser confirmado neste primeiro trimestre, com a Liz Claiborne, em que a Li & Fung assumiu o controlo dos gabinetes de compra do grupo (ver Um pacto de 83 milhões para Liz Claiborne). Rockowitz refere que existirão «definitivamente mais situações destas nos próximos meses», estando a Li & Fung a trabalhar noutros acordos de subcontratação, «o tipo de negócios que nunca existiriam nos tempos bons». Mas os negócios da Li & Fung não se restringem apenas ao mercado norte-americano, pois a empresa também está bastante activa no mercado europeu, como veremos na segunda parte deste artigo.