Lenzing transforma geotêxteis usados em vestuário

A produtora austríaca está a trabalhar, com parceiros, no processamento de geotêxteis em final de vida para os reciclar em novas fibras que possam ser usadas na produção de peças de roupa.

[©Lenzing AG]

Segundo a Lenzing, com os glaciares a serem gravemente afetados pelo aquecimento global, os geotêxteis são usados para proteger a neve e o gelo. No entanto, os não-tecidos usados para isso são feitos de fibras produzidas a partir de combustíveis fósseis, o que faz com que os microplásticos entrem nos cursos de água e eventualmente na cadeia alimentar.

Os não-tecidos feitos com fibras celulósicas da Lenzing, contudo, não só não libertam microplásticos como são biodegradáveis no fim do seu ciclo de vida, podendo ainda ser completamente reciclados.

Depois de, no ano passado, ter feito um projeto-piloto na Áustria, que posteriormente foi alargado a todos os glaciares usados por turistas, este ano o conceito vai mais longe e, juntamente com uma rede de parceiros – incluindo a especialista em reciclagem mecânica Marchi & Fildi Spa, a produtora de denim Candiani e o estúdio de moda Blue of a Kind –, a Lenzing está a transformar geotêxteis usados em novas fibras, dando-lhes uma segunda-vida ao usá-las em vestuário.

[©Lenzing AG]
A utilização de geotêxteis está, habitualmente, limitada a dois anos, um prazo a partir do qual os não-tecidos são descartados. Na primeira fase deste projeto-piloto, a reciclagem de geotêxteis não-tecidos foi testada com sucesso e foi criado o Glacier Jacket, como prova de que a reciclagem de geotêxteis é viável.

«Este projeto de inovação pioneiro junta empresas e parceiros que pensam da mesma forma ao longo da cadeia de aprovisionamento, demonstrando a visão partilhada das empresas e o compromisso para com a economia circular. A colaboração é uma prova do poder das parcerias a impulsionar a inovação e a sustentabilidade, a reduzir o impacto ambiental e a encorajar a ação colaborativa contra as alterações climáticas para um impacto global na indústria têxtil», acredita Florian Heubrandner, vice-presidente executivo de têxteis comerciais na Lenzing.

«Juntamente com a nossa rede de especialistas da indústria, podemos liderar um impacto positivo substancial no nosso planeta, salvaguardando as gerações futuras», acrescenta Krishna Manda, vice-presidente de responsabilidade corporativa na empresa austríaca.

O conceito foi apresentado no passado dia 21 de março, como parte das celebrações do Dia Internacional da Floresta, com o contributo do artista plástico italiano Michelangelo Pistoletto, no Palácio das Nações, sede das Nações Unidas na Europa, em Genebra.