Julgamento da Dextra adiado para Outubro

O julgamento dos antigos administradores da Fábrica de Malhas Dextra, sediada em Guimarães, que estava marcado para a manhã da passada Quinta-feira, acabou por ser adiado devido à falta de uma das arguidas. A filha do casal de administradores e um irmão, são acusados pelo Ministério Público de terem gerido a fábrica de malhas “em proveito próprio”, levando ao desemprego cerca de 200 funcionários. Mesma existindo a indicação de que a família em questão estivesse ausente no Brasil, o tribunal conseguiu notificar três dos quatro arguidos para o julgamento, mas ainda assim, uma das antigas gestoras da empresa acabou por faltar. O julgamento foi adiado para o dia 4 de Outubro, e a juíza encarregue deste processo fez saber que nesta data o julgamento vai-se realizar, independentemente da presença ou não dos arguidos