Jeanswear: um novo campo de experiências

A inovação atinge o coração dos jeans. Produto de moda e objecto de grande consumo, os jeans assumem hoje a sua faceta mais diferenciada, criativa, original e sofisticada. Sobreposição de cores, misturas de materiais, sobrecarga de acessórios e múltiplas operações técnicas (polimento, deslavagem, etc.), tudo serve para enriquecer e personalizar a oferta. Mas os jeans também servem, hoje mais do que nunca, como objecto das mais avançadas investigações em terrenos longe da moda mas que a complementam na perfeição. E são, surpreendentemente, pequenas empresas que se lançam nas maiores aventuras: é talvez mais fácil levar a cabo as mais arrojadas experiências numa estrutura de pequena dimensão e flexível do que numa multinacional. Esta é a história recente de Philippe Andrieu, especialista de marketing no universo da cosmética, que foi seduzido pela microencapsulação ao descobrir a linha de collants de beleza da Dim. Em conjunto com a especialista em acabamentos Rpc Blondel, desenvolveu uns jeans anti-celulite, comercializados sob a marca Lytess. Fabricado na Tunísia e em Itália, tratado na sua parte mais técnica ? a microencapsulação ? em França, estes jeans chegam às lojas ao preço de 99 euros. «Este ano esperamos vendas na ordem das 100.000 unidades», afirma Philippe Andrieu. «Estamos já a estudar novos tratamentos como, por exemplo, anti-odores. A ideia é transformar a Lytess na primeira marca de vestuário ligada à saúde». Este ano, o volume de negócios da empresa deverá duplicar, atingindo 4 milhões de euros. E, em 2010, Philippe Andrieu espera chegar aos 20 milhões. Por cá, a Salsa causou uma verdadeira revolução no universo do jeans ao lançar, em 2004, a sua mais eficaz arma de combate à celulite, também recorrendo à tecnologia da microencapsulação. Estas microcápsulas, contendo ingredientes anti-celulíticos como retinol, escaluano e mentol, são libertadas durante o uso dos jeans, garantindo resultados visíveis após 4 semanas. Mas não só esta praga que atormenta a vida de milhares de mulheres mereceu a sua atenção da marca portuguesa. Com efeito, mais recentemente, a Salsa desenvolveu os jeans repelentes de sujidade e água, que vieram assim colocar um ponto final às calças ensopadas por fortes chuvadas. Estes jeans encontram-se revestidos por uma película protectora invisível que dificulta a penetração quer da água quer da sujidade. No início do corrente ano, Paris foi palco da abertura da primeira boutique de jeans ?comunicantes? ? a Uranium. Criada pela empresa NJ Tech, a Uranium utiliza a inovação não somente como meio de aceder ao mercado da moda mas também como uma arma contra a concorrência de produtos a baixo preço. «Os jeans Uranium possuem ecrãs flexíveis a cores que variam consoante o humor do utilizador», explica Nadine Ninin, presidente e directora-geral da NJ Tech. Estes ecrãs podem também projectar textos ou imagens. Os jeans Uranium são fabricados em Marrocos e ultimados na China, onde é integrada a parte electrónica inteiramente desenvolvida em França. Para além da sua boutique, a colecção é ainda vendida em 250 lojas multimarcas em solo francês. «A exportação está também no nosso horizonte. E, brevemente, contamos inaugurar uma boutique em Moscovo e outra em Los Angeles», revela a presidente da NJ Tech. A inovação nos jeans é o fio condutor destas três histórias empresariais de sucesso, que almejam essencialmente transformar-se em marca de moda global. Os pequenos nichos de mercado podem ser o futuro de grandes básicos. Quem sabe?