Japão lança-se na moda espacial

Depois de ter registado vários fiascos no espaço, o Japão acalenta agora a ambição de ser um dos raros países a fabricar “escafandros” espaciais, utilizando uma inovadora tecnologia que permite conceber um fato mais leve do que a norma, a ser usado já na próxima missão americana à Lua. Segundo um porta-voz da Agência Espacial Japonesa (JAXA), o Império do Sol utilizará todo o seu know-how para desenvolver o novo fato que pesará apenas 20 kg, ou seja menos 100 kg que os actuais equipamentos americanos. Estes fatos, que são também fabricados pela Rússia, deverão proteger os cosmonautas do vácuo do espaço, das importantes alterações de temperatura e de agressões exteriores como os meteoritos. A JAXA espera poder concluir a produção do seu fato espacial até 2018, data prevista para a primeira missão lunar americana desde 1972. A Agência lançou entretanto um estudo de exequibilidade cujos resultados serão revelados em Março. «Pensamos que o Japão possui as competências tecnológicos para fabricar este tipo de fato», sublinhou o mesmo porta-voz. «Esperamos igualmente que a fabricação deste fato nos permita desenvolver as nossas actividades no espaço». O Japão, portanto considerado como um campeão mundial em tecnologia, conheceu múltiplos e retumbantes percalços na conquista do espaço, nomeadamente com o insucesso, no final de Novembro, da sonda nipónica Hayabusa na recolha de fragmentos de asteróides, o que teria representado em feito mundial. Estes reveses adquirem espacial significado no momento em que a China voa de sucesso em sucesso em missões espaciais bastante ambiciosas, tais como os voos residentes.