ITV dá exemplo

Os números recentemente revelados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e tratados pela ATP – Associação Têxtil e Vestuário de Portugal dão conta de um regresso a valores positivos no campo das exportações. No mês de novembro, a ITV exportou mais 5,4% do que em igual período de 2011, num total de 370,69 milhões de euros. Entre as categorias que mais cresceram contam-se o vestuário e acessórios em tecido (mais 6,2%); os tecidos impregnados, revestidos, recobertos ou estratificados e artigos para usos técnicos (mais 17,8%) e tapetes e outros revestimentos (mais 9,1%). A análise da ATP destaca ainda o crescimento das exportações no ano até novembro. «Considerando os 11 meses do ano, esta indústria exportou 3.823 milhões de euros, mais 1,8 milhões de euros do que em igual período de 2011», sublinha em comunicado Paulo Vaz, diretor-geral da ATP. Em termos de destinos de exportação, Espanha é cada vez mais líder, ocupando a primeira posição com uma quota de 31,4% das exportações portuguesas da ITV entre janeiro e novembro de 2012, tendo mesmo registado um crescimento de 4,2% durante esse período, para cerca 1,2 mil milhões de euros. Num segundo lugar distante encontra-se a França (- 3,6%), seguida da Alemanha (- 7,3%), do Reino Unido (mais 7,2%) e Itália (menos 15,4%). Destaque especial para os EUA, que ocupam a sexta posição e conheceram um aumento de 14,6% neste período, assim como Angola (+ 26,1%), Dinamarca (mais 11,4%), República Checa (+ 9,7%), Canadá (+ 21,2%), Roménia (+ 18,8%) e China (+ 51,6%). Nas importações, pelo contrário, regista-se uma quebra de 6,8% no mês de novembro, que ascende a 10,5% se tivermos em conta o período entre janeiro e novembro. A maioria das categorias de produto estão em declínio, com destaque para o vestuário e acessórios exceto malha (a mais representativa), que diminuiu 6,8%, e vestuário e acessórios em malha (- 10,9%). Os principais fornecedores de Portugal nos primeiros 11 meses de 2012 foram Espanha – que apesar da quebra de 9,8% representa 36,5% das importações nacionais do sector –, seguida de Itália, França, Alemanha e China, esta última com uma quota de 6,1% e uma quebra acentuada de 18,1% entre janeiro e novembro do ano passado. A balança comercial nacional da ITV mantém-se em terreno positivo, com uma diferença superior a mil milhões de euros entre as exportações e as importações.