Isabel II, uma rainha acima da moda

«A rainha está para além da moda», comentavam os costureiros italianos após uma visita de Isabel II ao país. Mais do que inspirar as revistas femininas, as suas vestimentas de cores aciduladas com chapéus a condizer devem torná-la reconhecível no meio de uma multidão. Depois do seu banho matinal, a soberana britânica enfia o primeiro dos seus fatos do dia, podendo chegar a «vestir 5 diferentes, em função das pessoas com quem vai reunir-se ou dos lugares que vai visitar», revela o especialista na temática monárquica Brian Hoey. «O seu estilo, sempre impecável, é muito característico. Um vestido ou um casaco pelo joelho, de cor viva, geralmente lisa, com um chapéu perfeitamente a condizer, luvas, carteira, calçado geralmente prático», explica Camilla Long, redactora da revista mundana Tatler. Isabel II usa e abusa de todas as tonalidades do arco-íris: azul, turquesa, vermelho, laranja, verde,… mas as suas carteiras e sapatos são geralmente pretos. «O objectivo é que seja claramente visível ao longe. Ela encontra-se frequentemente rodeada de centenas, e até milhares, de pessoas em numerosas cerimónias e não deve ?fundir-se na massa?», declara Caroline Guitaut, organizadora de uma exposição que exibirá 80 vestidos de noite de Isabel II no palácio de Buckingham, durante a sua abertura ao público de 26 de Julho a 24 de Setembro. Embora excêntrica nas cores e suas variações, os chapéus usados por Isabel II são geralmente compactos, nunca escondendo a cara da soberana. De conhecimento público, as suas carteiras encontram-se sempre desprovidas de qualquer conteúdo, já que nunca transporta consigo qualquer documento e, rodeada do seu estado-maior, nunca precisa de nada. Os seus sapatos devem ser confortáveis, já que permanece mais tempo de pé do que um militar em parada. Para uma curta viagem oficial, Isabel II necessita de cerca de 50 conjuntos diferentes, usualmente transportados em dezenas de grandes malas, algumas com 1,80 m, sempre de couro azul celeste. Os costureiros aos quais é fiel, sempre de origem britânica, tornaram-se bastante concorridos pela alta sociedade: Norman Hartnell, Hardy Amies e Ian Thomas. «Isabel II não segue a moda, mas teve uma grande influência na moda inglesa, nas mulheres da sua geração, que se vestem exactamente como ela, assim como nos criadores de moda britânicos», afirma Camille Long. «É um ícone», declarou recentemente Patrick Cox, o ?sapateiro? de estrelas como Madonna e Elton John, à revista Tatler. «Já disse à rainha que estava completamente obcecado por ela. Em todas as minhas colecções há um ?sapato de rainha?, com a ponta quadrada e o tacão mais baixo e mais grosso».