Intersélection: um bom negócio

Menos gente mas melhor clima de negócios» é o balanço final da maior parte dos expositores presentes no salão francês Intersélection, dedicado à grande distribuição, que fez uns recuperar o sorriso e outros suspirar de alívio. E a queda de 2,7% nos visitantes? Os expositores atribuem-na ao reagrupamento das centrais de compras. Para a organização Eurovet, esta baixa fica por conta dos visitantes franceses que, estação após estação, ignoram cada vez mais este salão. Em todo o caso, os 5.368 visitantes não saíram defraudados face às várias e variadas propostas apresentadas pelos 368 expositores que marcaram presença em Paris nos passados dias 9, 10 e 11 de Maio, entre os quais se encontravam as portuguesas Givec, especialista em vestuário de malha, e Jacinto, especialista em meias e roupa interior.Esta edição esteve particularmente pautada por um crescente dinamismo dos visitantes estrangeiros, principalmente visível por parte da Espanha (+ 8%), onde destacou a visita primeira da cadeia Bershka do grupo Inditex, dos países escandinavos (+ 100% para a Suécia, + 23% para a Finlândia e + 20% para a Dinamarca) e de novos países como a Rússia, a Hungria, o Canadá, a Grécia, a Suíça, etc. Esta análise vai de encontro às observações dos expositores que notaram, por um lado, uma baixa da afluência e, por outro, registaram um maior número de contactos estrangeiros.O grosso dos visitantes internacionais foi constituído por grossistas (47%), seguidos pelas cadeias (23%) e os grandes armazéns (15%), enquanto que os hipermercados e as centrais de compras continuam na retaguarda (12%). É um facto: a actividade da Intersélection é cada vez mais voltada para as actualizações. Para a próxima estação invernal, no âmbito da moda feminina, os compradores plebiscitam as camisas de espírito vitoriano, as saias pelo joelho e os calções. Além disso, observa-se uma maior atracção pelo look mais formal, com um estilo campestre britânico ou mais urbano, em preto e quer curtos (boleros, coletes, cache-coeurs). O ambiente dos sectores da moda masculina e da moda urbana esteve mais calmo. Os esforços efectuados pela Eurovet nos Fóruns Tendências ou na mostra de uma série de jeans suspensos não animaram suficientemente estes corredores. Os jeans aparecem, todavia, como a peça-chave do guarda-roupa actual, assim como todos os derivados do denim: saias, camisas, etc. Mais longe, o Verão 2007 anuncia as riscas navy como a grande tendência da estação, numa grande variedade de estilos e tamanhos. Outra corrente forte é o crochet. Em geral, as propostas são simples e naturais, e sobretudo frescas como convém para combater a subida do mercúrio.