Insolvências crescem 42%

Os dados assinalam um crescimento dos níveis de insolvência, com um aumento acumulado de 42% no mês de Setembro, em relação ao mesmo período de 2008, o que representa um agravamento de 29% face ao resultado do final do segundo trimestre. Os processos de insolvência das empresas que têm a actividade ligada a determinado sector confirmam o claro agravamento do sector dos serviços, que se converteu no primeiro gerador de insolvências judiciais, com 33% do total, após ter triplicado os níveis de insolvência em relação a 2008. O comportamento do sector da construção, com 15% dos processos, agravou-se durante o terceiro trimestre com um aumento acumulado de cerca de 20%. Também o sector têxtil, o terceiro a gerar insolvências judiciais em Portugal, responsável por 11% do total, confirmou uma tendência de deterioração à volta dos 30%. «O aumento das insolvências judiciais é mais um indicador do complexo momento económico que atravessam muitas empresas portuguesas. Na maioria dos casos, a deterioração da solvência produz-se de forma progressiva», refere Paulo Morais, director da Crédito y Caución para Portugal e Brasil. Segundo Morais, uma das soluções para sobreviver a esta situação é «estabelecer mecanismos eficazes de gestão do crédito» a clientes, capazes de detectar as mudanças de comportamento nos pagamentos, logo a partir do momento inicial. «Esta é a mais-valia do seguro de crédito que pressupõe uma aposta clara na informação. Em caso de processo judicial, os segurados contam com o apoio profissional na gestão das cobranças e com a garantia de indemnização, própria do seguro» conclui o director da Crédito y Caución para Portugal e Brasil.