Indústria Têxtil da Alemanha Oriental regista queda

A queda do volume de negócios de 4 por cento, equivalente a cerca de 1,6 mil milhões de euros, abrandou ligeiramente a queda registada, mas as 15 falências enfraqueceram o sector de forma significativa, explica Bertram Höfer, director geral da Federação da Indústria têxtil e de Vestuário da Alemanha Oriental. O ano de 2004 trouxe uma descida do volume de negócios de 5,8 por cento, a pior desde o início desta situação desfavorável. Somente na província de Sachsen, o número de empresas têxteis e vestuário passou de 395 para179, desde 1991, tendo o número de trabalhadores diminuído no mesmo espaço de tempo de 84.543 para 11.929. Segundo Bertram Höfer, a explicação para esta nova descida do volume de negócios reside sobretudo no enfraquecimento crescente do mercado interno. Dos 268 produtores registados nos novos estados federados, empregando 17.619 trabalhadores, 28 por cento concentra-se no acabamento de vestuário, 30 por cento nos têxteis-lar e 42 por cento, de forma cada vez mais acentuada, no sector em crescimento dos têxteis técnicos. «Reconhecemos grande potencial neste segmento, sobretudo no mercado externo. A quota de exportação voltou a crescer em 2005, mais precisamente 27 por cento». Para o corrente ano, as expectativas não são muito positivas devido ao aumento do imposto de valor acrescentado. Contudo, Höffer espera que, depois do sucesso da primeira feira de moda, 2006 seja um ano em que pelo menos se consiga um equilíbrio em termos de resultados.