Indústria do luxo em crescimento

O crescimento anual da indústria do luxo deverá atingir no decurso dos próximos anos sete por cento em média, devido a uma forte procura nos Estados Unidos, países asiáticos e na China, prevêem os analistas do banco suíço Lombard Odier Darier Hentsch. Dois analistas do referido banco privado suíço, Maria Menendez e Pierre Tissot, indicaram em Paris que o aumento de sete por cento por ano desde há 15 anos do sector do luxo deverá continuar a este ritmo no decorrer dos próximos anos devido à atracção dos americanos e dos asiáticos pelo luxo. Para os grupos de primeiro plano como a LVMH, Richemont ou Hermès, o crescimento chegou mesmo a atingir 12 por cento ao ano entre 1988 e 2005, segundo indicam os analistas. «Em 2005 depois de um início de ano um pouco difícil, as vendas de produtos de luxo aceleraram, aumentando 12,6 por cento em relação ao mesmo período em 2004», indicou M. Tissot. A estabilidade do dólar, mas também do iene, explica especialmente esta performance, acrescentou o analista, sublinhando que as vendas em dólares representam 30 por cento do volume de negócios total da indústria do luxo. Os sectores de luxo confrontados com as maiores crises (crise asiática, guerra do Golfo, atentados de 11 de Setembro) recolhem actualmente os frutos da sua adaptação aos acontecimentos graves e imprevistos graças a uma diversificação internacional elevada, um controlo fortalecido da rede de distribuição e uma aceleração de inovação. OLombard Odier Darier Hentsch está optimista em relação aos anos que vêm, apesar da gripe das aves ou os atentados terroristas de elevada importância nas principais capitais mundiais. O banco suíço revelou também as suas previsões sobre a LVMH, Swatch e Bulgari, continuando neutro sobre a Hermès e mais reservada sobre a Richemont.