Importações de lã em crescimento

A procura por lã tem aumentado nos últimos anos, sendo utilizada em várias aplicações, dos têxteis e moda ao design de interiores. No top 5 de países importadores, a Ásia domina, com Itália a ser a única representante europeia.

[©Unsplash-Ardiss Hutaff]

O comércio mundial de lã tem registado um crescimento significativo nos últimos anos, de acordo com um estudo da IndexBox, que atribui este aumento da procura às características da fibra, que incluem durabilidade, gestão de humidade e conforto natural.

Vários países têm emergido como principais importadores de lã, que é usada na produção de têxteis, moda e no design de interiores, entre outras aplicações, com o top 5 a ser composto, por ordem decrescente, pela China, Índia, Itália, Coreia do Sul e Malásia.

Em 2022, de acordo com os dados da IndexBox, a China importou 94,56 milhões de dólares (cerca de 90,12 milhões de euros) de lã. O país, refere o estudo, tem uma longa história de consumo de lã e é conhecido pela sua indústria têxtil. «A procura por lã na China cresceu rapidamente ao longo dos anos, com o mercado doméstico a não ser capaz de responder às necessidades crescentes dos produtores», indica a IndexBox.

As importações de lã da China são usadas sobretudo na indústria têxtil e vestuário e, também por isso, a procura por lã merino fina tem subido substancialmente. «A lã também tem ganho popularidade como uma alternativa sustentável e amiga do ambiente a fibras sintéticas», acrescenta.

A Índia é o segundo maior importador de lã, tendo registado, em 2022, importações no valor de 69,57 milhões de dólares. A lã é usada sobretudo para produzir lenços e no sector da produção de tapetes, que têm uma forte procura interna e mundial.

«O mercado indiano para a lã registou um crescimento significativo nos últimos anos, graças a um aumento dos rendimentos disponíveis e da mudança nas preferências do consumidor. A procura por artigos de luxo em lã, incluindo vestuário e acessórios, também contribuiu para este crescimento», aponta a IndexBox, acrescentando que a emergência da classe média no país, assim como a cada vez maior urbanização, levaram a uma subida pela procura por artigos de lã de qualidade.

Procura deve continuar a aumentar

Itália surge no terceiro lugar dos países importadores de lã, sendo o único país não asiático nesta lista. O país importou 57,45 milhões de dólares, com a procura pela fibra a ser impulsionada pelos sectores da moda e do luxo.

«Os produtores italianos de têxteis têm um foco forte na qualidade e no artesanal, produzindo produtos em lã luxuosos que atraem os consumidores conhecedores. A procura por tecidos de lã de elevada qualidade, sobretudo no segmento da moda de luxo, alimentou o mercado da importação de lã em Itália», descreve a IndexBox.

O quarto lugar é ocupado pela Coreia do Sul, que importou 48,69 milhões de dólares. O país tem uma forte indústria têxtil e a lã é uma fibra essencial ao sector. «As importações de lã da Coreia do Sul servem primariamente a moda e o mercado de vestuário interno, assim como a indústria de exportação de têxteis», afirma a IndexBox.

Os consumidores sul-coreanos têm uma preferência cada vez maior por fibras naturais e sustentáveis, incluindo lã. De acordo com o estudo, a procura por produtos em lã, incluindo camisolas, fatos e lenços, aumentou nos últimos anos. Além disso, acrescenta, os produtores sul-coreanos usam lã na produção de têxteis técnicos, como outerwear e sportswear funcional.

A Malásia completa este top 5, tendo registado importações de 42,81 milhões de dólares, o que revela, segundo a IndexBox, «uma forte e crescente procura por esta fibra versátil».

As importações da fibra servem a indústria local, que produz uma vasta gama de vestuário e acessórios em lã, para servir os consumidores locais, tanto com tecidos de elevada qualidade usados para vestuário de inverno e artigos para a casa.

«À medida que estes países registam um crescimento económico e a mudança das preferências dos consumidores, a sua procura por lã deverá continuar a aumentar. Isto representa imensas oportunidades para os exportadores de lã de todo o mundo», conclui a IndexBox.