Império dos sentidos na ITV

Após a visão e o tacto, o olfacto é o novo sentido visado pelas equipas de I&D, responsáveis pelo desenvolvimento de novas propriedades dos materiais. Com efeito, os consumidores com um sentido olfactivo apurado poderão brevemente adquirir roupa perfumada graças a uma nova tecnologia que permite adicionar determinados aromas aos tecidos durante a operação de tecelagem. Esta tecnologia, designada por Tecnologia de Percepção Sensorial (TPS), vai permitir às empresas de tecelagem introduzirem partículas desodorizantes, fragrâncias e até agentes anti-tabaco no tecido durante a sua fabricação. «Os testes realizados garantem já o êxito da TPS junto de várias empresas de vestuário, que se mostraram imediatamente interessadas neste tipo de produto», revela a ICI, cuja unidade de fragrâncias Quest desenvolveu a nova tecnologia com uma forte componente de marketing. A ICI adianta ainda que esta tecnologia consiste especificamente em incorporar ao tecido, durante a sua fabricação, miniaturas de partículas à prova de água que contêm minúsculas gotas do aroma pretendido, o qual pode ser activado pelo movimento do corpo ou pelo toque. «Estas partículas podem ser introduzidas em qualquer tecido e o artigo resultante pode ser, sem qualquer risco, lavado na máquina ou submetido a limpeza a seco. Cada vez que usar uma blusa ou passear sobre uma carpete, por exemplo, o aroma que está armazenado nas partículas libertar-se-á. Todos os aromas são subliminares, de forma a não interferirem com os aromas dos perfumes que cada indivíduo usa», explica a ICI. Por seu lado, o fabricante de tintas Dulux, que já dispõe da TPS, refere que esta inovação vai proporcionar à indústria têxtil e aos designers, há longo tempo dependentes dos sentidos visual e táctil, uma infinidade de futuras oportunidades à medida que o mercado se for expandindo no domínio dos tecidos perfumados.