ICAC no ano internacional das fibras naturais

O relativo equilíbrio entre as fibras naturais e não-naturais em termos de consumo global, que existe há décadas, é objecto de constante mudança e parece entrar num novo ciclo. Actualmente, o algodão representa cerca de 37% do consumo mundial de fibras e a lã 3%. As continuamente melhoradas fibras e tecidos não-naturais têm vindo a corrigir a anterior imagem negativa que possuíam. Os especialistas prevêem que, até 2010, estas fibras detenham uma quota de 72% do mercado global, com o algodão a ocupar 26% e a lã 2%. A Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 2009 como o Ano Internacional das Fibras Naturais. A indústria das fibras naturais proporciona emprego a centenas de milhões de pessoas em quase todos os países do mundo. Estas fibras são renováveis, sustentáveis, económicas e oferecem excelentes características de desempenho para os consumidores. De acordo com um recente relatório emitido pelo International Cotton Advisory Committee (ICAC), os membros do organismo reconheceram que as consequências da actual crise financeira mundial têm tido efeitos particularmente negativos sobre o sector do algodão. Os membros esperam que uma rápida e bem sucedida conclusão da Ronda de Doha possa resolver as questões pendentes do processo de algodão na Agenda de Desenvolvimento de Doha (ADD) e contribuir para atenuar a crise neste sector. A comissão também observou que o algodão tem registado um significativo sucesso económico na áfrica subsaariana. O algodão é uma fonte importante de divisas em mais de 15 países do continente e é uma fonte crucial de dinheiro para milhões de pequenos agricultores e suas famílias. Ao mesmo tempo, o algodão é uma fonte de grande preocupação devido ao declínio da produção, agravada por factores externos desfavoráveis, como as taxas de câmbio e as distorções do mercado. A comissão reconheceu o grande esforço dos governos e do sector privado nos países africanos para garantirem a competitividade a longo prazo. De acordo com os documentos recentemente apresentados pelo Ministério da Agricultura dos EUA e a Commodity Credit Corporation (CCC), uma agência do governo norte-americano, o pacote legislativo de 2008 da The Food, Conservation, and Energy Act e do Upland Cotton Economic Adjustment Assistance Program apresenta oportunidades interessantes para os utilizadores norte-americanos de algodão upland (Gossypium hirsutum) elegível. Para as fiações, produtores de papel e produtores de não-tecidos em algodão, o programa irá pagar 4 cêntimos de dólar por libra de algodão elegível aberto pelo produtor durante os próximos quatro anos. No quinto ano do programa, os pagamentos da CCC serão reduzidos para 3 cêntimos de dólar por libra de matéria-prima. Com uma utilização estimada de 4 milhões de fardos com 480 libras, a indústria iria consumir 1,92 mil milhões de libras de algodão, o equivalente a pagamentos no valor de 76,8 milhões de dólares por ano durante quatro anos, num total de 307,2 milhões de dólares, com um quinto ano no valor de mais 57,6 milhões de dólares. Dependendo da utilização e da qualificação do algodão, produto e utilizadores, o investimento dos fundos poderia chegar aos 365 milhões de dólares ao longo dos próximos cinco anos.