Hilfiger regista perdas no primeiro trimestre

O gigante da moda Tommy Hilfiger Corporation registou perdas líquidas de 447 milhões de euros no primeiro trimestre, com base numa mudança contabilística e anunciou ainda a demissão do seu vice-presidente, Lawrence Stroll. O designer e o retalhista sediado em Hong Kong, afirmou que nas 13 semanas até ao dia 30 de Junho, perdeu 4,9 euros por acção em comparação com o lucro líquido de 9,1 milhões de euros, ou 10,1 cêntimos por acção, no mesmo período do ano anterior. Em declarações Hilfiger afirmou que os seus rendimentos subiram de 361 milhões de euros para 372,6 milhões em 2001, e viu os seus lucros anuais por acção subir para 1,7 euros devido às elevadas vendas do vestuário feminino e da colecção de criança. O director-geral Joel Horowitz comentou: “Estamos satisfeitos por os rendimentos e lucros operacionais excederam as expectativas para este primeiro trimestre fiscal. O aumento dos rendimentos deveu-se à procura sustentada entre as consumidoras femininas, que continuam a ‘conduzir’ o crescimento do negócio feminino”. “O negócio com adolescentes continua a ser a categoria líder e aumentou devido à adição da nossa linha de tamanhos grandes, a TH Woman. Também o nosso negócio júnior e vestuário de criança, especialmente raparigas entre os 7 e os 16 anos, tiveram bons resultados no retalho”. No que diz respeito aos “jeans de homem, tivemos uma resposta positiva à introdução de novos e modernos estilos para a”volta à escola”. Adicionalmente, continuamos a manter um registo e controle de despesas em todas as áreas da empresa, posicionando-a de forma a conhecer os desafios do actual dificuldade do retalho.” Em relação à saída de Lawrence Stroll, a empresa afirmou que o vice-presidente se tinha demitido para perseguir outros interesses profissionais. Horowitz disse ainda que “em nome da direcção, desejamos que Lawrence tenha muito sucesso e expressamos a nossa profunda gratidão pela sua visão”.