Hermès cresce quase 20%

O grupo francês Hermès, um dos poucos do sector do luxo cujos negócios não se ressentiram com a crise económica mundial vivida nos últimos meses de 2008 e em 2009, voltou a demonstrar uma óptima saúde económica durante o arranque do corrente ano. A casa de luxo francesa encerrou os primeiros três meses de 2010 com uma facturação de cerca de 510 milhões de euros. Um acréscimo de quase 80 milhões de euros face às vendas registadas no primeiro trimestre de 2009. Segundo explicou a Hermès através de um comunicado, a subida das vendas foi generalizada. Isto é, as vendas cresceram em todos os mercados mundiais onde a casa de luxo está presente, exceptuando no Japão. Mais um sinal de que os consumidores japoneses, outrora fanáticos pelo luxo europeu, estão a orientar as suas preferências para artigos e marcas mais acessíveis. Um sinal dos conturbados tempos vividos no País do Sol Nascente e uma mudança nos hábitos de consumo que parece ter vindo para ficar. As vendas no mercado nipónico desceram 2% no primeiro trimestre do ano, queda essa que contrastou com o crescimento observado no restante continente asiático. Exceptuando o Japão, a Ásia registou um crescimento impressionante de 47%. Os mercados europeus e americanos, mais maduros no que respeita ao consumo de luxo e onde a presença da Hermès se encontra mais consolidada, contribuíram para o crescimento da empresa com taxas de evolução das vendas positivas. Cerca de 15% no caso da Europa e de 25% no caso do continente americano. Em termos de gama de produtos, o crescimento da Hermés teve especial relevância na relojoaria. Este segmento foi o que mais cresceu, com um incremento de 39% face a igual período do ano passado. No segundo lugar do pódio aparece a linha de perfumaria, com um crescimento de 38%. Este aumento ficou a dever-se em grande medida ao lançamento de duas fragrâncias da marca, Terre d’Hermès e Voyage d’Hermès, que registaram uma excelente aceitação por parte dos mercados onde foram lançadas em Março. Relativamente a previsões para o resto do ano corrente e, apesar de não revelar previsões, a Hermés demonstra confiança e optimismo no que respeita a crescimento. Em termos estratégicos, o gigante francês do luxo continuará a investir na sua rede de distribuição, com a abertura ou renovação de 20 espaços de retalho.