Guilford Mills emerge da falência

A gigante americana, Guilford Mills informou na passada sexta-feira que apresentou um plano de reorganização que, espera-se, ajude a empresa a emergir do Capítulo 11 do código de falência, até 30 de Setembro – final do seu ano fiscal. A empresa sediada na Carolina do Norte, que pediu a protecção ao abrigo deste artigo, a 11 de Março, tendo nesta altura dívidas na ordem dos 270 milhões de dólares, afirma que o plano irá dar aos credores sénior uma quota de 90%. Os restantes 10% serão detidos pelos restantes accionistas. O plano terá agora que ser aprovado por um tribunal de falências e por vários credores do grupo. A empresa adiantou que as suas facilidades de crédito vão consistir numa linha de crédito com validade de três anos e um empréstimo com a mesma validade, que deverão totalizar aproximadamente 150 milhões de dólares. A Guilford Mills acrescentou que os seus fornecedores serão pagos por completo e espera que as suas vendas e lucro operacional continuem a bater todas as expectativas. A empresa espera emergir inicialmente como produtora de tecidos para automóveis. Jonh Emrich, o presidente da empresa americana, adiantou que “muito simplesmente estamos a movimentarmo-nos em direcção a uma reorganização calma e cheia de sucesso. Temos muitas pessoas a quem agradecer por nos terem ajudado a chegar a este ponto: os nossos fornecedores e clientes, os nossos credores e muitos outros”.