Gubec celebra 5 anos a duplicar negócio

A empresa, que foi adquirida em março de 2018 pelo grupo Becri, tem vindo a crescer de ano para ano. No espaço de meia década, a Gubec passou de 50 para 110 trabalhadores e aumentou o volume de negócios de cerca de 2 milhões para mais de 8,5 milhões de euros.

Rui Costa

O investimento realizado há cinco anos na Gubec, no valor de 5 milhões de euros, entre aquisição e remodelação da empresa, tem vindo a ser capitalizado pelo grupo Becri, que mudou «praticamente tudo» para tornar a empresa mais rentável, explica Rui Costa, CEO da Gubec. «Desde o momento em que viemos para cá, começámos a dar melhores condições à equipa e só assim conseguimos pedir-lhes para também se esforçarem e lutarem pela empresa, que também é deles. Portanto, houve uma mudança de mentalidade para melhor, na minha opinião», afirma ao Portugal Têxtil.

O número de trabalhadores mais do que duplicou, de 50 para 110 pessoas, com esta contagem a poder subir para aumentar a capacidade de resposta da produtora de vestuário, que produz atualmente cerca de 90 mil peças por mês, mas tem capacidade para, aproximadamente, 120 mil. «Na confeção já não temos espaço, mas na parte do embalamento ainda temos espaço para muita gente», garante o CEO da Gubec.

A par com o reforço e atualização tecnológica, as mudanças no layout, para melhorar a eficiência, permitiram «um fluxo mais fluído da produção», revela Rui Costa. «Conseguimos, continuamente, crescer aos pouquinhos e vamos tentar, de ano para ano, sempre subir mais o volume de faturação», salienta.

José e Rui Costa

Em 2022, a Gubec deverá ter fechado o ano com um volume de negócios de 8,5 milhões de euros, mas há metas ambiciosas para o futuro. «Em 2023 vai fechar com 10 ou 10,5 milhões de euros e o objetivo é chegar aos 15 milhões em 2025/2026», adianta José Costa, CEO do grupo Becri.

Para isso, a aposta passa pelo reforço da atividade comercial da empresa. «O que fizemos, durante estes cinco anos, foi dar as ferramentas e essa fase já está completa. Agora é trabalhar na parte comercial, nomeadamente em clientes de gama média/alta e luxo», indica Rui Costa, a terceira geração envolvida no negócio no grupo Becri, o que traz consigo «o peso da responsabilidade», sublinha. Contudo, «gosto de desafios e gosto de conseguir atingir os objetivos. Coisas desafiantes, para mim, são melhores do que o trabalho a fazer sempre a mesma coisa», conclui o CEO da Gubec.