Governo sublinha confiança na indústria

Nas intervenções governamentais no primeiro dia da iTechStyle Summit, o Ministro da Educação, Ciência e Inovação e o Ministro da Economia reforçaram a confiança na capacidade da ITV de superar desafios e continuar a ter um papel fulcral na economia.

Nos seus discursos no início e final do primeiro dia da conferência internacional organizada pelo CITEVE, os representantes do Governo não foram parcos em elogios à indústria têxtil e vestuário, salientando a sua evolução e importância, ao mesmo tempo que apontaram alguns dos desafios que vão ter de ser ultrapassados para que mantenha a sua relevância no contexto nacional e internacional.

Na abertura, Fernando Alexandre destacou que o sector foi dos que mais cresceu nos últimos 15 anos em termos de produtividade, com alterações ao nível da produção e do seu posicionamento. «O que sabemos é que o sector vai ter que continuar a fazer esse reposicionamento», até porque o mesmo foi assimétrico e «continuamos a ter uma parte do sector que baseia a sua competitividade nos custos».

Para o Ministro da Educação, Ciência e Inovação, a indústria têxtil e vestuário enfrenta, como principal desafio, a capacidade de se alinhar pelas tendências do mercado, que estão focadas na digitalização e na sustentabilidade. «São duas palavras que todos conhecem bem e que temos mesmo que agarrar», até porque a digitalização «é, sobretudo, uma enorme oportunidade para Portugal».

Salientando a importância da ligação das empresas ao sistema científico-tecnológico e da qualificação da mão-de-obra, Fernando Alexandre acredita que é possível reposicionar a indústria têxtil e do vestuário «numa dimensão mais favorável ao aproveitamento do capital humano que temos na economia, e que queremos que continue cá, que associado a investimento e a visão empresarial – felizmente temos grandes empresários neste sector – continue a ser um sector fundamental da nossa economia. Vai ser, obviamente, completamente diferente daquilo que foi – e já é muito diferente daquilo que foi – e isso vai passar pelo desafio da digitalização e da sustentabilidade».

Proteger a ITV na Europa

Já Pedro Reis, que encerrou este primeiro dia da iTechStyle Summit – que se prolonga até quarta-feira, 22 de maio – realçou que o Ministério da Economia é o «Ministério das Empresas» e, como tal, assume como missão a defesa dos interesses das empresas e a promoção da sua competitividade.

Sobre a indústria, o Ministro da Economia afirmou que a mesma é «absolutamente estrutural na nossa economia, tem dado cartas e tem mostrado a Portugal e ao mundo como é possível pegar num sector tradicional, no que isso tem de bom – para mim quer dizer experiência, quer dizer competência, quer dizer património, quer dizer conhecimento – e, introduzindo valor de marca, inovação e desenvolvimento, talento, tecnologia, demonstrar claramente que é possível reinventar os sectores tradicionais».

Pedro Reis reforçou «que o país está com o sector e acredita muito no sector, nomeadamente na sua internacionalização».

Neste domínio, o Ministro da Economia manifestou a sua intenção de atrair mais investimento e apoiar as empresas, nomeadamente dos seus interesses junto da União Europeia. «Se calhar é preciso a Europa pensar os critérios de elegibilidade em relação à dimensão das empresas. Há algo que me faz espécie: no fundo, acabamos por sacrificar o ganho de dimensão, ou seja, à medida que as empresas vão passando de PMEs, vão perdendo acesso a incentivos. Há uma incongruência no sistema», considera.

Pedro Reis é igualmente favorável a que sejam introduzidos, a nível europeu, «mecanismos niveladores face à nossa concorrência extracomunitária», com a exigência de «equidade e transparência nos requisitos ambientais, sociais, de governança e fiscais dos nossos concorrentes internacionais. Só assim teremos um terreno nivelado para as vossas empresas», apontou.

Quanto aos fundos PRR, o objetivo agora é «não complicar e executar», acrescentou o Ministro da Economia, que exaltou os números do volume de negócios e das exportações da indústria têxtil e do vestuário, assim como as oportunidades resultantes da interligação com outros sectores, como o automóvel ou a agricultura. Quanto aos desafios, «são muito semelhantes aos da economia portuguesa», referiu, focando a necessidade de ganhar escala e de digitalizar. «Não tenham dúvidas que o Ministério da Economia, neste mandato, enquanto eu cá estiver, está ao serviço das empresas», salientou. «Queremos inaugurar iniciativas de muita proximidade – já foram feitos vários modelos e bem feitos. O nosso tema não é fazer diferente do que foi antes feito ou marcar um ciclo: o nosso tema é executar e transformar e ajudar as empresas no concreto», concluiu Pedro Reis.

A iTechStyle Summit continua amanhã, num dia que será inteiramente dedicado à sustentabilidade, quer dos processos, quer das matérias-primas e do design.