GOTS progride em 2023

A colaboração com a Agência Espacial Europeia para monitorizar o cultivo de algodão orgânico e o aumento de entidades certificadas face a 2022 são alguns dos destaques da evolução no ano passado.

[©GOTS]

O Global Organic Textile Standard (GOTS) revelou que, em 2023, estavam certificadas 14.676 instalações em 89 países, o que representa um aumento de 8% em relação a 2022.

As instalações que obtiveram a certificação GOTS vão agora operar sob a nova versão 7.0 do GOTS, lançada em março de 2023, com um período de transição de um ano. O GOTS versão 7.0 e o manual de implementação que o acompanha determinam novas exigências para as empresas que desejam produzir têxteis orgânicos e ser apoiadas para garantir a conformidade com a devida diligência ambiental e de direitos humanos ao longo de toda a cadeia de valor, desde o campo até o produto acabado.

«O GOTS sempre foi fundamental para que os pioneiros da indústria têxtil demonstrassem voluntariamente o seu compromisso para com cadeias de valor sustentáveis, como uma ferramenta de gestão de risco e para a eficiência operacional», afirma Claudia Kersten, diretora-geral do Global Standard, o órgão de supervisão do GOTS. «Com as novas e futuras regulamentações da cadeia de aprovisionamento, o GOTS adquiriu a função adicional de ajudar as empresas a demonstrar conformidade com as leis», acrescenta.

A versão 7.0 do GOTS, explica o relatório anual, introduziu um processo e um manual de devida diligência em seis etapas que equipa as operações certificadas para identificar, avaliar e mitigar proativamente os impactos adversos em todas as suas cadeias de valor.

O relatório dá ainda destaque ao projeto com a Agência Espacial Europeia (ESA), no qual está a treinar inteligência artificial para utilizar os dados de satélite da agência espacial para detetar campos de algodão em toda a Índia e classificá-los automaticamente de acordo com o seu padrão de cultivo.

Ao integrar métricas de rendimento padronizadas, isso permitirá ao GOTS gerar estimativas realistas do rendimento do algodão orgânico em áreas específicas. Além disso, espera-se que o projeto permita que a organização reconheça os campos de algodão que ainda não obtiveram a certificação orgânica, mas que possuem potencial para transição. Os primeiros resultados do projeto serão divulgados em junho.

Em 2023, foi ainda introduzido o Farm-Gin Registry para a época de colheita 2022/2023 na Índia – o maior produtor mundial de algodão orgânico – para atuar como um elo entre a quinta e o descaroçador e fortalecer a integridade através da recolha de dados de algodão orgânico em bruto.