Fim de ano em grande para a Inditex

Nos nove meses até ao final de outubro, a retalhista espanhola, que reportou fortes vendas nas últimas semanas, aumentou em 32,5% o lucro líquido, que ultrapassou os 4 mil milhões de euros.

[©Zara]

Entre março e outubro de 2023, a retalhista espanhola vendeu 25,6 mil milhões de euros, o que representa um aumento de 11,1% em comparação com igual período de 2022, registando o que a Inditex descreve no comunicado relativo aos resultados preliminares, como «um desenvolvimento muito satisfatório tanto nas lojas como online».

As vendas foram «positivas em todas as áreas geográficas e em todos os conceitos», acrescenta, sublinhando que esta performance se deve «à criatividade das equipas e à forte execução de um modelo de negócio completamente integrado».

O Ebidta (lucro antes de juros, impostos, desvalorização e amortizações) aumentou 13,9%, para 7,4 mil milhões de euros, enquanto o lucro líquido cresceu 32,5%, para 4,1 mil milhões de euros.

Alice Price, analista de vestuário da empresa GlobalData, considera que os resultados confirmam que a Inditex tem uma «posição sem rival» dentro do mercado de vestuário. Ainda assim, destaca ao Just Style, «embora esta performance seja impressionante, representa um ligeiro abrandamento face ao primeiro semestre, em que cresceu 13,5%, com as pressões económicas nos seus principais mercados a levarem a uma queda na procura. O grupo reportou que o lucro operacional aumentou 24,3%, para 5,2 mil milhões de euros, colocando a Inditex numa posição forte para continuar a desenvolver a sua proposta».

As novas coleções das diferentes insígnias «têm sido muito bem recebidas pelos nossos clientes», refere a Inditex, adiantando que a câmbios constantes, as vendas entre 1 de novembro e 11 de dezembro aumentaram 14% face a igual período do ano passado.

Resta, contudo, saber se a polémica campanha The Jacket da Zara, com imagens que geraram controvérsia junto do público por, alegadamente, terem semelhanças com imagens do conflito na Faixa de Gaza – que, entretanto, a marca retirou e pediu desculpa – poderá «ter um impacto material nas vendas», realça Alice Price.

Em relação ao futuro, a Inditex, que está presente em 213 mercados, «continua a ver fortes oportunidades de crescimento. As nossas principais prioridades são melhorar continuamente a proposta de moda e a experiência do cliente, aumentar o nosso foco na sustentabilidade e preservar o talento e o empenho das nossas pessoas. Dar prioridade a essas áreas vai impulsionar o crescimento a longo prazo».