Fila permanece no vermelho

A cadeia italiana de artigos para desporto, Fila, apresentou mais uma queda nas vendas. Por esta altura várias empresas estão de olhos postos na Fila para tentarem apoderar-se dela a bom preço. A cadeia de vestuário e calçado para desporto sediada em Biella, afirma que o negócio melhorou no segundo trimestre devido ao aumento das vendas na América e na Coreia do Sul, mas ao mesmo tempo apresentou um prejuízo líquido de 67,1 milhões de euros na primeira metade. No mesmo período em 2001 o prejuízo não ultrapassou os 51,9 milhões de euros. As vendas para os seis primeiros meses desceram ligeiramente (0,5%) para 464,6 milhões de euros. As vendas de calçado afectaram os resultados da empresa, descendo 12% para 85,9 milhões de euros no segundo trimestre e 8% para 200,3 milhões de euros nos primeiros seis meses. O crescimento só se verifica nos Estados Unidos e na Coreia. Já o vestuário, por outro lado, teve um aumento de 9% para 110,4 milhões de euros no segundo trimestre e de 5% na primeira metade do ano atingindo os 245,5 milhões de euros, tendo as vendas crescido em todas as regiões excepto na Europa, onde as vendas totais diminuíram 17% para 145,5 milhões de euros. A empresa italiana adiantou que irá realizar uma reunião extraordinária no próximo dia 23 de Setembro para recomendar a redução do valor nominal das acções da Fila, bem como um ”reverse stock split” na proporção de dois para um, de forma a recapitalizar a empresa. Industriais em Milão acreditam que esta jogada é um sinal da vontade da Fila em agradar aos potenciais compradores.