Fibertect apaga químicos tóxicos

Investigadores do The Institute of Environmental and Human Health (TIEHH) da Universidade do Texas, nos EUA, desenvolveram um material de descontaminação que provou ser a melhor solução para a limpeza dos efeitos da guerra química e de agentes químicos tóxicos. A avaliação do não-tecido, baptizado Fibertect, foi realizada no âmbito de um estudo efectuado pelo Lawrence Livermore National Laboratory, usando gás mostarda e outros produtos químicos tóxicos. Os investigadores descobriram que o produto teve o melhor desempenho entre 30 materiais de descontaminação testados, incluindo materiais de descontaminação usados actualmente pelos militares. Ao desenvolver este produto, a TIEHH vai de encontro às necessidades específicas das tropas, conforme foi expresso em 2004 por um relatório publicado pelo Departamento de Defesa dos EUA. Neste documento e no relatório anual apresentado em Março de 2005, o departamento apela para a necessidade de produtos para descontaminar pessoas e equipamentos militares, como parte da sua Estratégia de Modernização da Ciência e Tecnologia de Descontaminação. Estes resultados são outra afirmação que os investigadores da Texas Tech, particularmente aqueles que trabalham no TIEHH, são alguns dos melhores do mundo», revelou Kent Hance, presidente do Texas Tech University System. Os novos produtos desenvolvidos a partir desta investigação vão ajudar a proteger os militares contra perigos químicos e apoiar as equipas de emergência na limpeza de acidentes tóxicos e catástrofes ambientais». O autor principal do estudo é Seshadri Ramkumar, responsável por supervisionar o laboratório de não-tecidos e materiais avançados (Nonwovens and Advanced Materials Laboratory) da Texas Tech. Ramkumar e outros cientistas têm trabalhado no desenvolvimento de um produto que seja um trunfo nos esforços militares e de segurança interna, fazendo parte de um programa financiado pelo Departamento de Defesa dos EUA. Utilizámos a tecnologia de não-tecidos agulhados para desenvolver este material flexível, absorvente e adsorvente, que pode ser usado não apenas como um pano descontaminante, mas também como forro de fatos de protecção, filtro ou máscara”, afirmou Ramkumar. O material é flexível, não contém partículas soltas e é capaz de limpar peças complexas, desde o corpo humano ao painel de controlo de um avião a jacto de combate», acrescentou o cientista. O produto apresenta um núcleo de carbono activado, colocado entre duas camadas absorventes. Esta nova estrutura vai ajudar a proteger os militares no campo de batalha, assim como as populações dos efeitos de uma guerra química ou biológica e das ameaças terroristas”, salientou Ron Kendall, director do TIEHH e co-autor do estudo. A tecnologia foi licenciada pelo Office of Technology Commercialization da Texas Tech para a Hobbs Bonded Fibers. A empresa está a organizar uma equipa internacional de marketing para acelerar a comercialização do Fibertect. O primeiro membro da equipa é o The Bellator Group, reputado por diversos sucessos na comercialização de produtos para o sector militar. A notícia empolgante é que o governo federal viu uma necessidade para este produto e a Texas Tech desenvolveu um produto para satisfazer essa necessidade. Agora, o governo federal vai ver um retorno real sobre o seu dinheiro. Já estamos a produzi-lo e a mostrá-lo no mercado», concluiu Carey Hobbs, presidente da Hobbs Bonded Fibers.