Falsificação tem os dias contados

Cientistas da Nova Zelândia desenvolveram uma nova tecnologia que pode ser usada para detectar vestuÁrio falsificado e eliminar produtos contrafeitos, permitindo verificar ou detectar a origem de vestuÁrio de marca. Esta nova ferramenta é a primeira do género para combater a contrafacção e foi desenvolvida numa parceria entre cientistas da AgResearch com a empresa australiana DatatraceDNA. O sistema de identificação têxtil, baptizado de Verifi TT, permite que o tecido ou mesmo o fio seja produzido contendo uma fibra identificadora de cada cliente. Esta fibra é adicionada no início do processo têxtil em pequenas quantidades – cerca de 300 gramas por cada tonelada de fibras têxteis convencionais. O material identificador e o scanner portÁtil podem ser codificados unicamente para cada cliente», explica Peter Brorens, um dos cientistas da AgResearch envolvido neste desenvolvimento. Ao passar o leitor portÁtil do Verifi TT por cima do tecido ou fio, este detecta a fibra e verifica depois a autenticidade do tecido. O próprio Verifi TT é invisível a olho nu devido à reduzida quantidade utilizada». Brorens afirma ainda que o teste pode ser aplicado em todas as fases da cadeia têxtil, incluindo a prateleira do retalhista. O sistema de identificação tem também aplicações prometedoras nas etiquetas têxteis, que podem ser rapidamente testadas para verificar a autenticidade do vestuÁrio e evitar a venda não-autorizada de excessos de produção que, muitas vezes, são vendidos no mercado negro. Os cientistas referem que esta ferramenta serÁ particularmente importante para vestuÁrio de marca de gama alta, onde as imitações são mais comuns, e explicam que é diferente de outras tecnologias que identificam a origem das fibras e tecidos, jÁ que essas podem ser caras e destrutivas uma vez que envolvem o corte e a posterior anÁlise do material. Testes desse tipo exigem conhecimentos específicos e exames de laboratório caros, enquanto que o Verifi TT pode ser usado por qualquer pessoa. A AgResearch experimentou, com sucesso, esta nova tecnologia na indústria têxtil e revela que empresas da China, Alemanha, ItÁlia, EUA e AustrÁlia jÁ manifestaram interesse na sua aquisição.