EUA apoiam a produção de algodão na África Ocidental

Os EUA vão doar 20 milhões de dólares para diversos países produtores de algodão do Oeste de África, no âmbito de um programa de melhoria desenvolvido para ajudar no fomento da produção e melhorar as práticas de negócio da região, de acordo com o referido por um responsável da administração norte-americana em declarações à Reuters. O dinheiro, fornecido pela USAID (United States Agency for International Development), agência norte-americana de apoio ao desenvolvimento internacional, será acrescido aos 7 milhões de dólares anunciados no início do ano passado. Este valor vai ser distribuído ao longo de três anos, sendo dividido entre o Mali, Chade, Senegal, Burkina-faso e Benin, de acordo com o referido pelo responsável, que manteve o anonimato da sua identidade. Os EUA são o principal exportador mundial de algodão e os seus produtores receberam cerca de 4,2 mil milhões de dólares de subsídios durante o período de 2004/05, dinheiro que os países produtores de algodão da África Ocidental referem ser responsável por depreciar os preços mundiais e arruinar as suas economias. Após encontrarem-se em Janeiro de 2005, as duas partes chegaram a acordo sobre as recomendações para apoiar a indústria algodoeira da África Ocidental. Os EUA referem que os seus subsídios não justificam a difícil situação em que se encontram os produtores africanos de algodão. De acordo com o divulgado pela Reuters, os 20 milhões de dólares vão ser gastos na «reforma das políticas e instituições do sector algodoeiro privado, processamento de algodão com maior valor acrescentado, transformação e aumento dos resultados na produção de algodão». Os próprios países vão decidir quais os programas em que querem investir o dinheiro, consultando para o efeito com peritos do USAID e do departamento de agricultura norte-americano.