Especialização da expedição e logística – Parte I

Desenvolvido pelo editor da Textile World, Jim Borneman, este estudo analisa as diversas soluções existentes na cadeia de fornecimento da indústria têxtil e de vestuário ao nível do transporte e distribuição, apresentando para o efeito a opinião e as estratégias de alguns dos principais intervenientes no mercado norte-americano. A especialização de algumas destas empresas é significativa na área de têxteis e de vestuário. O processo de deslocar produtos têxteis e de vestuário, quer sejam matérias-primas ou produtos acabados, registou uma evolução que reflecte as pressões exercidas pela globalização, a procura de vantagens competitivas e a resposta aos requisitos do cliente no sentido de controlar com rigor os inventários ao longo da cadeia de fornecimento. Um breve inquérito aos fornecedores no mercado norte-americano revela um conjunto de empresas com diferentes formas e dimensão, que não estão apenas interessadas nas mercadorias, mas que focam a assistência às empresas têxteis e de vestuário com o objectivo de conquistar as vantagens oferecidas pelas modernas práticas de expedição e logística. Eagle Global Logistics Com sede em Houston no Texas, a Eagle Global Logistics trabalha no sentido de assegurar «flexibilidade, visibilidade e soluções de tecnologias de informação desde o corte ao acabamento», de acordo com o referido por Fred Annunziata, vice-presidente de vendas para a América Latina. A empresa tem cerca de 11.000 funcionários e registou receitas no valor de 3,2 mil milhões de dólares em 2005, dos quais cerca de 500 milhões de dólares estão relacionados com os sectores têxtil e de vestuário. Quais são os pontos fortes da Eagle Global Logistics? «Cobertura mundial com uma forte especialização na logística de moda, proporcionando visibilidade ao longo de toda a cadeia de fornecimento», de acordo com Annunziata. «Actualmente trabalhamos com responsáveis de logística que reportam directamente ao director-geral», menciona este responsável, referindo-se à evidente realidade de que a expedição e a logística são uma parte cada vez mais fundamental para o sucesso de uma empresa. Em termos futuros, a Eagle Global Logistics planeia a gestão de ordens de compra com entrega directa na loja, contornando assim os centros de distribuição. Quando questionado sobre o que pode ser salientado na Eagle Global Logistics, Annunziata apresenta quatro pontos: (1) Um abrangente conjunto de serviços de um único fornecedor, específicos para a indústria que engloba a gestão da logística e reduz os encargos administrativos; (2) Serviço pontual e de confiança em termos mundiais que apoia a qualidade e os objectivos de distribuição do produto; (3) Taxas com custos eficientes e rotas flexíveis que maximizam as necessidades de serviço ao custo mais baixo; (4) A visibilidade da cadeia de fornecimento completa. Respondendo a estes factores permite aos fornecedores do serviço responder aos clientes têxteis e de vestuário o tipo de serviço que é exigido ao longo de toda a cadeia de fornecimento. «As equipas da Eagle Global Logistics ajudam os clientes a concretizar o potencial do actual mercado mundial» refere Annunziata, «ao melhorarem e adequarem os processos da sua cadeia de fornecimento e maximizarem a sua eficiência com serviços a baixo custo». Alfândegas e serviços comerciais A expedição e a logística envolvem muito mais para além de movimentar cargas. Considere-se o exemplo da Customs and Trade Services Inc. (CTS), com sede em Miami na Florida. A CTS tem 100 funcionários dedicados aos têxteis e vestuário e cerca de 90% das receitas anuais origina nas actividades relacionadas com artigos têxteis e de vestuário. Norman Gelber, presidente da CTS, considera que as pessoas fazem a diferença. «Os nossos funcionários conhecem os nossos clientes e estes conhecem os nossos funcionários. A maior parte da nossa equipa está connosco há 10 ou mais anos», refere Gelber. «Nós lidamos com os maiores e melhores produtores de vestuário. Sempre mantivemos os nossos clientes informados de todas as alterações antes destas ocorrerem. Nós possuímos os funcionários com mais conhecimento e experiência, fornecendo o nível mais elevado de serviço disponível na nossa área de negócio. Nós conhecemos os têxteis e o vestuário. Nós sabemos onde são produzidos e como necessitam de ser movimentados». Como pode uma empresa como a CTS fazer a diferença? «Uma empresa adquiriu uma fábrica num país das Caraíbas e rapidamente apercebeu-se que não sabia como proceder. Nós ensinamos os funcionários, aconselhamos sobre as aquisições de equipamento e asseguramos que possuíam o conhecimento sobre como expedir estes produtos», referiu Gelber. «Hoje em dia esta empresa refere que já não estaria a trabalhar se não fosse a intervenção da CTS». No que respeita à eficiência da indústria no desenvolvimento da logística, Gelber refere que «Demasiadas empresas ainda não percebem a necessidade de possuir recursos humanos com formação e trabalhar com um mediador alfandegário e um despachante de cargas que saiba como ajudar a formar os colaboradores e a trabalhar em parceria com eles, para alcançar os melhores resultados de logística. Algumas empresas ainda pensam que pagam aos seus funcionários para produzir vestuário e que não precisam de ninguém na sua equipa que saiba o que quer que seja sobre expedição». Qual o próximo passo para a CTS? «Vamos continuar a fornecer o nosso nível de serviço à indústria de vestuário, mas vamos também continuar a diversificar», refere Gelber. «Vamos fomentar o nosso negócio com o Extremo Oriente e com empresas não relacionadas com o vestuário. Vamos continuar a desejar que a indústria de vestuário sobreviva e prospere». Pré-posicionamento com a Crowley Com 200 milhões de dólares dos seus 1,1 mil milhões de dólares de receitas anuais relacionados com têxteis e vestuário, a Crowley Maritime Corp., Crowley Logistics Inc. e Crowley Liner Services, com sedes em Oakland na Califórnia e Jacksonvile na Florida, são dedicadas à indústria têxtil e de vestuário. «Logística e rapidez no acesso ao mercado são onde a acção se desenrola hoje em dia», refere Don Hire, director de desenvolvimento de negócio da Crowley Logistics. «Possuímos uma forte presença no mercado da América Latina (mais de 45 anos de serviço ininterrupto na América Central) e compreendemos efectivamente o factor competitivo que a rapidez de acesso ao mercado na logística traz aos têxteis e ao vestuário». Em relação a lidar com as mudanças de necessidades no mercado, Hire refere que «Nós operamos quatro armazéns / centros de distribuição e três armazéns de depósito na alfândega na América Latina. Isto permite aos vendedores posicionarem o inventário de matérias-primas e fornecimentos mais próximo das actividades de produção. Adicionalmente estas unidades fornecem a oportunidade para consolidação, fornecimentos directos e programas para contornar os centros de distribuição». Com mais de 3.000 funcionários e 114 anos no negócio, a Crowley está empenhada no futuro. «Olhamos na direcção do crescimento contínuo no transporte regional na América Latina», refere Hire. «Prevemos uma movimentação crescente de matérias-primas da Ásia para a América Latina, uma maior necessidade de serviços de armazenagem e de centros de distribuição na região e continuo crescimento na expedição directa, contornando os centros de distribuição». Responder aos desafios da têxtil com a Seaboard Marine Efectivamente tem-se registado uma forte iniciativa entre as principais empresas de expedição e logística no sentido de capturar o crescente mercado da expedição de têxteis e de vestuário ao nível internacional. United Parcel Service, DHL e FedEx todos empreenderam iniciativas para a indústria de forma a serem os principais fornecedores de muito mais do que serviços de entrega. Empresas como a Crowley Logistics, Maersk Inc. e Seaboard Marine Ltd. empreenderam esforços para participar na indústria têxtil e de vestuário oferecendo serviços com valor acrescentado que fazem a diferença. A Seaboard Marine, uma divisão da Seaboard Corp. com sede em Shawnee Mission no Kansas, é uma empresa de transportes marítimos que fornece serviços directos e regulares entre os EUA e a América Central e do Sul, assim como com as Caraíbas. Wanda Velez-Fernandez, responsável financeira da Seaboard Marine, interpreta a situação da seguinte maneira: «Estamos a entrar numa nova era na gestão de cargas. Estávamos muito familiarizados no passado com um mercado caracterizado pela ausência de regulamentação, melhoria gradual dos serviços prestados, taxas menores e disponibilidade generalizada nos serviços fornecidos. No entanto, ao longo do último ano, registou-se o oposto: restrições na capacidade, aumento nos custos do combustível e no aluguer de navios, aumento nos custos dos pilotos, diminuição na disponibilidade de camionistas, e um aumento dramático na procura de equipamento». «Até 2020, prevê-se um aumento de 70% no volume de cargas nos EUA, de acordo com o referido pelas estatísticas do Departamento de Transportes norte-americano», refere Velez-Fernandez. «Adicionalmente, prevê-se que o aumento na procura do transporte ferroviário, aéreo e marítimo deverá ultrapassar o fornecimento para pelo menos os próximos dois anos. Devido a estas mudanças na infra-estrutura de transportes norte-americano, a indústria têxtil e de vestuário foi forçada a adaptar-se rapidamente para ir ao encontro das mudanças registadas na oferta e na procura». Como é que a indústria consegue reagir? Velez-Fernandez apresentou esta opinião: «Líderes no transporte devem agora ser possuir conhecimentos aprofundados em diversos assuntos como: a regulamentação das vias-férreas, transportadores motorizados, linhas aéreas e marítimas, intermediários para incluir os agentes, despachantes e outros fornecedores de soluções de logística; expedição diversificada; princípios de lei de contrato para o transporte; responsabilidade para perdas ou danos; seguros de mercadorias; importação e exportação; legislação e tratados internacionais; e legislação sobre materiais perigosos e regulamentos, de forma respondem com eficiência à complexa rede que tem sido criada em torno da nossa indústria». «Infelizmente, muitos responsáveis pelos transportes não possuem todas as ferramentas para responder às pressões do mercado. No entanto, parcerias com empresas como a Seaboard Marine vão aliviar muitas das preocupações desnecessárias do actual ambiente do mercado», refere Velez-Fernandez. A Seaboard tem mais de 5.000 funcionários nos EUA e mais de 4.000 funcionários nas suas operações localizadas na América Latina e em África. «Na Seaboard, temos uma unidade dedicada à supervisão dos carregamentos de têxteis e de vestuário», refere Velez-Fernandez. «Com um sistema inovador centrado em torno de uma extensa rede de escritórios e unidades em todos os EUA, América Central, América do Sul e Caraíbas, estamos idealmente capazes para expedir os nossas cargas para todo o lado». «A unidade dedicada aos têxteis e ao vestuário na Seaboard Marine foi criada com a perspectiva das necessidades destes sectores», refere Velez-Fernandez, salientando ainda a importância do desenvolvimento de alianças e da coesão entre todos os envolvidos na cadeia de fornecimento. Servindo clientes como a Gildan Activewear Inc., Oxford Industries Inc., Jockey International e Gear for Sports Inc., o compromisso da Seaboard é mais do que aparente. «Acima de tudo, estamos empenhados com a indústria de vestuário, assim como com os países que servimos, na medida em que é o nosso principal interesse desenvolver a confiança e a segurança entre os parceiros da vossa cadeia de fornecimento», refere Velez-Fernandez.