Espanha ganha representatividade nas exportações nacionais

2005 foi um ano crucial para as exportações nacionais da Indústria Têxtil e do Vestuário motivado pela liberalização do comércio internacional e consequente aumento da concorrência nos mercados de destino das exportações lusas. Apesar de ainda não estarem disponíveis os dados definitivos sobre a evolução deste indicador, os valores avançados pelo Observatório Têxtil do CENESTAP apontamum aumento da tendência descendente das exportações iniciada em 2002. Todavia, esta redução das vendas não foi homogénea para todos os mercados, nem para todos os artigos vendidos. De acordo com os dados provisórios do Eurostat, o abrandamento das exportações nacionais da ITV foi mais pronunciado nos mercados extra-comunitários com destaque para a queda de 11,8% nos fluxos com destino aos EUA (principal mercado de exportação extra-comunitário). Para a U.E. as vendas nacionais registaram uma contracção de 4,3% reflectindo as fortes quebras registadas nas exportações com destino ao Reino Unido (-15,7%) e à França (-12,2%). A contrabalançar estiveram as vendas para a Espanha, principal mercado de destino das exportações da ITV nacional absorvendo 23,9% das vendas ao exterior, segundo os dados provisórios as exportações para Espanha caíram 1,8%. Na base desta melhor performance dos fluxos para o mercado espanhol estiveram as vendas de artigos têxteis para o lar com um aumento de 0,9%, resultando num aumento do peso relativo de 14,0% em 2004 para 15,6% em 2005. Neste contexto, a Espanha coloca-se entre os três principais mercados de exportação deste tipo de artigos logo a seguir ao Reino Unido que absorve actualmente 16,3% das exportações lusas, menos 1,4 pontos percentuais (p.p.) que em 2004. Também no vestuário a Espanha ganhou peso como mercado de destino dos fluxos nacionais. Em 2005 adquiriu 28,5% das vendas nacionais ao exterior, mais 1,5 p.p. que no ano anterior em contrapartida da redução de peso de mercados como o Reino Unido (-1,5), a França (-1,2%) e a Alemanha (-1,2%). Relembre-se que o vestuário foi a categoria de exportações mais sensível ao aumento da concorrência decorrente da abolição das restrições quantitativas às importações em Janeiro de 2005. Por fim, relativamente ao sector têxtil não houve grandes alterações a registar, o mercado espanhol permanece na posição de principal destino das exportações nacionais seguido da Alemanha e da França. Merece referência a Itália, uma vez que, as exportações lusas aumentaram 3,2% para este mercado, representando actualmente 7,5% das vendas totais de têxteis ao exterior.