Empresários da Burel Factory premiados

Isabel Costa e João Tomás, proprietários da Burel Factory e dos projetos de turismo Casa das Penhas Douradas e Casa de São Lourenço, foram distinguidos com o Prémio Carreira 2024.

Isabel Costa e João Tomás

O prémio, atribuído pelo Guia Boa Cama Boa Mesa, uma iniciativa do Expresso, «tem como propósito prestar homenagem e elogiar, de uma forma pública, uma personalidade que se destaque nas diversas vertentes associadas à Boa Cama e à Boa Mesa. Nesse sentido, Isabel Costa e João Tomás são um exemplo de uma vida profissional e amplamente reconhecida pela comunidade de dedicação à vertente “Boa Cama”», destaca o Expresso.

«Reconhecem-se e distinguem-se, desta forma, duas pessoas que, em conjunto, têm demonstrado um empreendedorismo extraordinário, contribuindo decisivamente para o desenvolvimento do Interior do país, nomeadamente, da região da serra da Estrela, conjugando hotelaria e cultura, com a vertente industrial e criativa da lã, revitalizando o burel, como marca distintiva e identitária, e valorizando económica e socialmente o território onde exercem a sua atividade», refere o júri do Prémio Carreira do Guia Boa Cama Boa Mesa, presidido por Francisco Pinto Balsemão e composto por Cristina Siza Vieira, Luís Araújo, Fortunato da Câmara e Paulo Brilhante, citado pelo Expresso.

[©Burel Factory]
O júri destacou, além da hotelaria, o projeto têxtil Burel Factory, criado após a aquisição da falida Fábrica de Lanifícios Império, e que tem sido expandido, com a aquisição, no final de 2021, da insolvente Alçada & Pereira, como revelou Isabel Costa ao Portugal Têxtil no ano passado. «Estamos neste momento ainda muito focados na integração e neste trabalho, para nós e para outros clientes, de recuperação de património», explicou a CEO da Burel Factory. «Continuamos a recuperar máquinas muito velhas e a inovar, essencialmente, na área do design», acrescentou.

[©Burel Factory]
A empresa tem ainda sido reconhecida dentro e fora das fronteiras nacionais, tendo vencido um iTechStyle Award na categoria de sustentabilidade, um Red Dot Design Award e ainda o prémio Best in Textiles da revista Monocle. «A utilização de um recurso natural como a lã, a utilização dos saberes antigos, das máquinas ancestrais, do passar o conhecimento à juventude, de como esta tradição com inovação e com valorização do que é que a lã, como produto, nos pode levar longe e podemos inovar e criar, olhando para trás, percebemos que fizemos um curto caminho, mas, ao mesmo tempo, um caminho enorme. Mais que tudo, o burel, neste momento, é reconhecido mundialmente, toda a gente sabe o que é e toda a gente já utiliza como um material português, ou seja, já temos muitas entidades e políticos que falam na região centro, na região da Serra da Estrela, que falam no queijo, mas também falam no burel quase ao mesmo nível. Isso, para nós, é extraordinário», resumiu Isabel Costa ao Portugal Têxtil.

Sobre este prémio, a Burel Factory publicou um agradecimento nas redes sociais, onde destaca os colaboradores dos diferentes projetos, nomeadamente «os mestres tecelões e tecelãs da fábrica, cuja arte que carregam nas mãos sustenta a nossa história e inovação, e as nossas colaboradoras das lojas que diariamente dão a cara e o sorriso pela marca Burel Factory», e os clientes. «Este reconhecimento é vosso e nós não poderíamos estar mais gratos e orgulhosos», conclui.

Isabel Costa e João Tomás [©Isabel Costa]