Empreendorismo para vencer

«Sem empresários e sem empresas, Portugal deixa de ter economia e empregos. é, por isso, um imperativo cívico e até corporativo, enquanto associação patronal, procurar relançar e promover o papel do empresário, do empreendedor, do investidor e do empregador, pelo menos aquele que nos diz mais respeito e actua no mundo do têxtil, do vestuário e da moda». As palavras de Paulo Vaz, director-geral da Associação Têxtil e Vestuário de Portugal (ATP) justificam a escolha do tema do próximo Fórum da Indústria Têxtil, que se realiza no Citeve, em Vila Nova de Famalicão, no próximo dia 25 de Novembro, Quarta-feira, pelas 14h 30. “Empreendorismo. As Oportunidades Depois da Crise” é o tema do XI Fórum da Indústria Têxtil, onde a Indústria Têxtil e de Vestuário (ITV) portuguesa volta a reunir-se para fazer o balanço da situação actual e apontar caminhos de futuro para o sector, centrando a atenção no empreendorismo. O tema, de acordo com Paulo Vaz, teve como «grande inspirador o empresário do sector, Dr. Mário Jorge Machado, que o trouxe para debate no Conselho Consultivo da ATP e aí manifestou as suas preocupações em relação a esta temática, que decidimos agora desenvolver». A abertura da sessão será realizada pelo presidente da ATP e do Fórum da Indústria Têxtil, João Costa, a que se seguirão as intervenções de Manuel Teixeira, director-geral do CENIT – Centro de Inteligência Têxtil, sobre “O sector têxtil e vestuário português e o seu enquadramento na economia global. Actualização da análise da evolução e tendências”, e de Mira Amaral, do Fórum da Competitividade, que irá centrar a sua intervenção na “Crise conjuntural ou crise estrutural? Os caminhos do desenvolvimento económico português após a crise económica e financeira mundial”. Na segunda parte, a voz é dada aos empreendedores portugueses, nomeadamente com os exemplos da Six London e do Vital Jacket. No primeiro, será José Neves, CEO da empresa, a apresentar os factores de sucesso da Six London. No caso do Vital Jacket, será Luís Meireles, CEO da Biodevices, a explanar o caso à luz do “Empreendedorismo, diversificação e inovação tecnológica na ITV”. João Fernandes, vice-presidente da InovCapital, irá fazer uma exposição sobre “Financiar o empreendorismo: a alternativa do Capital de Risco” e Daniel Bessa irá apresentar a sua visão sobre o “Empreendedorismo e Inovação Tecnológica e Não-Tecnológica”, antes do encerramento da sessão pelo novo Ministro da Economia, Vieira da Silva. No conjunto, o Fórum pretende «por um lado, discutir o sector, a sua situação e tendências, recorrendo a intervenções de forte conteúdo técnico e realizadas por reconhecidos especialistas, nacionais e estrangeiros, e procurar colher o testemunho de empresas e empresários, de forma a demonstrar que existem boas práticas que podem ser replicadas pelo resto do sector; por outro lado, fazer o discurso político do estado do sector, onde os problemas, as expectativas e as aspirações são transmitidas aos representantes do Poder, que, normalmente, estão presentes no encerramento dos seus trabalhos, permitindo que assumam essas declarações e as coloquem na sua agenda política», explica Paulo Vaz. Apesar do momento difícil para a Indústria Têxtil e de Vestuário (ITV), devido à crise económica mundial, que levou a uma quebra de 17,2% das exportações portuguesas nos primeiros sete meses de 2009, «a ITV portuguesa não está derrotada e encontra sempre forma, mesmo nos momentos de maior aflição como o que estamos a viver, de se reorientar, de se reinventar e de se regenerar, seguindo em frente. Este Fórum não vai celebrar o fim da crise, porque não sabemos quando terminará, mas podemos sim motivarmo-nos com o nosso incontestável instinto de sobrevivência, que nos mantém em cena, mesmo quando tantos já nos tentaram retirar e quando outros já dela saíram para não mais voltar», conclui Paulo Vaz.