Elas adoram Vuitton

Estes resultados positivos vêm reforçar a resiliência do sector de artigos de luxo na Europa que, apesar da quebra da confiança e do consumo mundial, continua a apresentar resultados e taxas de crescimento positivas. O facto dos produtos da LVMH exercerem grande fascínio sobre as consumidoras de todo o mundo tem levado à manutenção da boa performance do grupo. O conglomerado francês do luxo atribui às suas divisões de moda e de artigos de couro o mérito dos bons resultados alcançados nos primeiros nove meses de 2008. A LVMH citou especificamente a sua marca Louis Vuitton como principal contribuinte para os lucros e para o crescimento do grupo. Dentro da marca, a nova linha de malas de vinil, Damier Graphite, cujas vendas no Verão ultrapassaram as expectativas e a sua linha do monograma clÁssico foram os top-sellers do ano. A divisão de moda e de artigos de couro atingiu um crescimento de 5% no volume de negócios para os 4.200 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2008. Em termos de crescimento percentual, a divisão de relógios e joalharia registou o melhor resultado, tendo aumentado 11,4%, para os 650 milhões de euros. O crescimento desta divisão foi essencialmente sustentado pela Tag Heuer e pela De Beers. A pior divisão do grupo acabou por ser a de vinhos e de bebidas espirituosas, que inclui marcas como a Henessy, Dom Perignon e Moet & Chandon. Parece assim que, com poucos motivos para celebrar, os consumidores reduziram as suas compras destas marcas, o que levou a um decréscimo de 4,7% nas mesmas, para os 2 mil milhões de euros. As marcas de cosméticos da LVMH apresentaram um bom desempenho graças ao seu bom posicionamento dentro das lojas do grupo, como é o caso da Sephora. A LVMH é o maior conglomerado do luxo a nível mundial, tendo apresentado um volume de negócios consolidado de 11.960 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano. Este valor, que representa um crescimento de 4,5% face a 2007, surgiu acima das estimativas dos analistas.