El Corte Inglés, Primark e Zara lideram moda infantil em Espanha

O líder da moda de criança mantém-se, mas as marcas de preços baixos estão a ganhar quota de mercado, tendo já representado mais de 30% das vendas no mercado espanhol em 2023.

[©Pepco]

Maior dispersão e preços mais baixos são as grandes alterações que o segmento de moda de criança está a experienciar em Espanha. Segundo a Modaes, a quota de mercado das dez principais operadoras por vendas do sector no país caiu de 43% em 2019 para 41,6% em 2023 e, embora as primeiras posições no ranking se mantenham, a maioria perdeu peso no mercado. O El Corte Inglés continua a ocupar o primeiro lugar no ranking, apesar de ter sofrido uma redução considerável de quota de mercado face a 2019, sendo seguido pela Primark (que estabilizou), pela Zara, pela Decathlon, pelo Carrefour e pela H&M.

A Amazon, que ocupa a posição seguinte, seguida pela Lefties e a Sprinter, posicionam-se em 2023 como os distribuidores que mais vendem moda infantil em Espanha, todas elas com um aumento de quota em relação a 2019. O top 10 encerra com a francesa Kiabi, que mantém a sua quota.

Os dados divulgados por Rosa Pilar López, diretora de moda da Kantar Worldpanel, no âmbito da conferência anual da Associação de Produtos Infantis (Asepri), apontam também para uma perda de peso relativo das cadeias especializadas e do retalho multimarca de moda infantil, bem como supermercados e hipermercados. Já as vendas de outlets e restantes canais, onde se agrupam as vendas geradas por operadoras como a Shein, estão a ganhar quota.

O outro grande fenómeno da moda de criança em Espanha é o forte crescimento dos operadores de preços baixos, que é ainda superior ao ocorrido no sector da moda como um todo. Em particular, as retalhistas de baixo custo, como a Shein, a Primark ou a Pepco, passaram de 22,4% das vendas em 2019 para 30,4% em 2023.

Rosa Pilar López sublinhou que Espanha está no último lugar da fertilidade na Europa, com uma taxa de natalidade que passou de 8% das mulheres em 2016 para 6% em 2022. A diminuição da natalidade explica a redução nas vendas de moda criança, que atualmente concentra 9,7% das vendas de moda em Espanha. Em 2023, as vendas de moda infantil diminuíram 3,3% em valor e 5,8% em volume.

Em volume de peças de vestuário, 40% correspondem a crianças de zero a cinco anos, 27% a crianças de seis a nove anos e os 33% restantes a crianças dos 10 a 14 anos. A distribuição em valor é diferente, com maior peso nas vendas totais de vestuário para crianças mais velhas: 33% dos gastos com moda infantil correspondem a vestuário para crianças menores de seis anos, 25% para crianças de idade intermédia e 43% para crianças entre os 10 e os 14 anos.

Por tipo de produto, 70% das vendas correspondem a vestuário, 27% a calçado e 3% a acessórios. Esta última categoria foi, no entanto, a única que aumentou as vendas em 2023, com um aumento de 8,6%, enquanto as vendas de vestuário caíram 3,5% e as vendas de calçado baixaram 3,9%.

Esta distribuição muda, no entanto, entre rapazes e raparigas. Embora a população seja praticamente equiparável, as meninas concentram 68,4% das vendas de acessórios, 51,1% das vendas de vestuário e apenas 43,4% das vendas de calçado.