ECHA partilha informação sobre químicos

A ECHA, a agência responsável pela implementação da regulamentação relativa a químicos na União Europeia, lançou uma nova base de dados que está acessível ao público em geral.

[©Pixabay-deepakrit]

Atualmente, a ECHA tem a maior base de dados de produtos químicos da União Europeia, reunindo dados apresentados pela indústria com informações geradas nos processos regulamentares da UE.

Para complementar isso, a organização lançou agora a ECHA Chem, uma plataforma online que dará a sectores como a indústria têxtil e ao público em geral total acesso à quantidade de informação cada vez maior recolhida pela agência.

A primeira versão da base de dados inclui informação sobre mais de 100.000 registos REACH que as empresas submeteram à ECHA, que irá crescer ainda este ano com a adição de um novo Inventário de Classificação e Rotulagem, a que se seguirão um conjunto de listas regulatórias.

Mercedes Viñas, diretora de submissões e interação da ECHA, considera que «a ECHA Chem é um passo significativo na melhoria do nosso serviço de partilha de dados sobre produtos químicos recolhidos através das atividades atuais da ECHA. Disponibiliza a informação online num sistema estável e de fácil utilização».

Kai Taka-aho, diretor de sistemas de informação da agência sublinha que «a ECHA Chem foi concebida para ser uma plataforma técnica flexível, capaz de lidar com grandes quantidades de dados e ajustável a diferentes necessidades que surjam, por exemplo, de novas tarefas a atribuir à ECHA. Como tal, pode-se dizer que, com as escolhas tecnológicas realizadas, a ECHA Chem é realmente uma solução preparada para o futuro»

Lançada inicialmente em 2016, a base de dados da ECHA contém informações sobre mais de 360.000 produtos químicos. Em 2022, a ECHA anunciou que iria criar um novo sistema para publicar informação sobre químicos. A ECHA Chem, refere a agência em comunicado, permite «lidar melhor com a crescente diversidade e quantidade de dados, ao mesmo tempo que tira partido dos avanços tecnológicos».