Eastman estabelece nova parceria na reciclagem

A produtora da fibra Naia firmou uma colaboração com a canadiana Debrand para reciclar quimicamente, num projeto-piloto, mais de duas toneladas de resíduos pré-consumo e vestuário em fim de vida.

[©Eastman]

A Debrand, sediada em Vancouver, é uma empresa de logística especializada em encontrar soluções sustentáveis para o desperdício de algumas das principais marcas mundiais de vestuário e calçado, tendo como clientes a Abercrombie & Fitch, Guess, a Lululemon e a Victoria’ Secret, entre outros.

No âmbito desta parceria, a Eastman vai usar a sua tecnologia de reciclagem molecular para transformar cerca de 2,3 toneladas de resíduos da confeção pré-consumo e vestuário pós-consumo em nova matéria-prima. A tecnologia da empresa americana decompõe os resíduos de vestuário em blocos de construção moleculares e usa o material reciclado certificado para criar fibras circulares Naia Renew, feitas de 60% de polpa de madeira de origem sustentável e 40% de resíduos reciclados, tendo a certificação Global Recycled Standard (GRS).

«Estamos empenhados em promover soluções sustentáveis ​​para a indústria da moda», afirma Claudia de Witte, responsável de sustentabilidade têxtil da Eastman. «A parceria com a Debrand permite-nos impulsionar o progresso nos nossos objetivos de sustentabilidade para a Naia, particularmente para integrar a circularidade, criando soluções sustentáveis ​​para têxteis que atingiram o fim da vida útil e transformando-os em recursos valiosos para novas fibras Naia Renew. Esta colaboração sublinha o nosso compromisso de trabalhar em estreita colaboração com as principais empresas de recolha e triagem para impulsionar as mudanças de infraestrutura necessárias para o avanço da sustentabilidade na indústria da moda», acrescenta.

Antes da sua colaboração com a Eastman, a Debrand garantiu um investimento estratégico da Waste Management, que atua na gestão de resíduos na América do Norte, para fornecer soluções circulares nos EUA e no Canadá.

«Estamos entusiasmados por colaborar com a Eastman neste projeto-piloto e criar blocos de construção para sistemas de sustentabilidade valiosos», realça Lina G. Londono, vice-presidente de sustentabilidade da Debrand. «Assumimos este projeto com uma abordagem intencional e repetida que alcançaria marcos significativos. Foi pensado para permitir ser escalado e acessível a outras marcas que queiram participar no futuro», resume.

Esta parceria é a mais recente no portefólio da Eastman, que em fevereiro anunciou a colaboração com a Patagonia e em março comunicou um financiamento do governo americano para o desenvolvimento do seu projeto de reciclagem química.