Drummond Parkland vira-se para mulher

A empresa têxtil Drummond Parkland, que no mês passado anunciou cortar metade da sua força de trabalho, deverá continuar aberta, mas prefere centrar-se nos altos padrões do vestuário de mulher e deixar o segmento masculino, que por sua vez será deslocado para o estrangeiro. Dos 150 trabalhadores, cerca de 70 perderam os seus postos de trabalho no mês passado após a empresa sedeada em França e ‘parente’ do grupo Chargeurs ter anunciado passar a sua produção de tecidos para Portugal, França e Lituânia. O director-geral da Parkland, Neil Roberts, disse que as condições comerciais mostram que os resultados da Drummond Parkland «estão longe das expectativas». Mas acrescentou ainda que o «plano tem sido sempre manter a fábrica de Park Valley Mills aberta». Neil Roberts afirmou ainda que a empresa iria fabricar vestuário de mulher, oferecendo aos consumidores «mais qualidade e uma resposta mais rápida».