Dominar o futuro, com os “olhos postos” na IMB

A conferência de imprensa promovida pela Feira de Colónia, que decorreu dia 10 de Janeiro, em Barcelona, e que o Portugal Textil (PT) acompanhou, centrou-se na apresentação, para a toda a imprensa especializada espanhola e portuguesa, das novidades esperadas para a IMB (Internationale Messe für Bekleidungstechnik und Textilverarbeitung) 2006 que terá lugar em Colónia, de 10 a 13 de Maio. Esta feira é considerada, a nível mundial, como a feira mais importante para o sector de máquinas, equipamentos e serviços para a indústria do vestuário, que se realiza de três em três anos em Colónia, cidade localizada numa das principais regiões europeias no que diz respeito ao desenvolvimento de novas tecnologias. Uwe Deitersen, director da Feira de Colónia, deu inicio à conferência de imprensa. Após ter dado as boas vindas, começou por lembrar que «há 30 anos que a Feira de Colónia e a VDMA (GLTA- Garment and Leather Technology Association), entidade alemã que constitui o parceiro da Feira de Colónia na organização da IMB, reúnem, em cada edição, o melhor da oferta e da procura a nível mundial, enfrentando os desafios que se apresentam e fazendo-o de uma forma inovadora, de modo a constituir sempre um novo impulso para o relançamento do sector». De seguida, referiu que «como ocorre em outros países europeus, a indústria de Espanha e Portugal foi gravemente afectada por todas as mudanças originadas pela globalização. Por isso, à semelhança da Alemanha, os processos de fabricação sofreram alterações estratégicas, concentrando-se em processos tecnológicos de alto nível nos quais a qualidade se impõe em detrimento da quantidade. A tendência implica uma aposta na especialização e nos têxteis técnicos, tendência esta que encontra uma resposta clara na IMB 2006». Prosseguiu, dando destaque ao facto da próxima edição da IBM ser um dos primeiros eventos que terão lugar nos quatro novos pavilhões construídos no recinto da exposições da Feira de Colónia, com uma superfície bruta de exposição de 80.000 m2. Para o responsável «os novos pavilhões permitem uma nova estrutura da oferta da IMB. Assim, os pavilhões 6 e 9 assim como uma parte do pavilhão 7 estão reservados aos segmentos de costura e bordado. No pavilhão 7 encontram-se os seguintes segmentos de oferta: preparação, fluxo de matérias e logística de distribuição. O pavilhão 8 estará ocupado por expositores dedicados aos sectores de corte, CAD, Investigação e Desenvolvimento, assim como tecnologias de informação». Com o lema escolhido para esta edição, “World of Textile Processing”, associado a uma nova imagem, Uwe Deitersen afirmou que «o destaque vai para a inovação e desenvolvimento aplicados ao processamento e aos materiais flexíveis, pretendendo, assim, atrair visitantes fora do universo têxtil e do vestuário, nomeadamente das indústrias automóvel, aeronáutica ou do sector da medicina». «Duas das novidades mais importantes que preparámos para a IMB 2006 é a aposta num novo segmento de oferta, totalmente dedicado aos têxteis técnicos, e a estreia do “IMB Innovation Award”, criado para premiar as inovações com aplicação comercial no campo das tecnologias de processamento». Por outro lado, Uwe Deitersen fez uma referência ao facto do Fórum IMB decorrer, desta vez, em paralelo com a feira, tendo como tema central as Tecnologias de Informação, «formando, assim, uma área temática independente, que incluirá um programa de conferências. Lembramos que em 2002 e em 2004 o Fórum foi realizado como um evento distinto da feira IMB. Estamos convencidos que o Fórum integrado na feira irá melhorar significativamente o seu alcance internacional e consolidar a sua importância». Segundo o director da Feira de Colónia, para a edição de Maio próximo são esperados mais de 700 expositores oriundos de cerca de 45 países, dos quais quase 70% são estrangeiros. «Este é um evento que apresenta um nível de internacionalidade notável e constitui a plataforma mundial mais importante de comunicação e negócios para os sectores participantes. Cerca de 60% dos mais de 24.000 de 114 países que em 2003 acudiram à feira procediam do estrangeiro. De Portugal foram registados 280 visitantes e de Espanha, 452. Calculamos que em 2006 estes números crescerão bastante, uma vez que em 2003, o SARS fez com que muitas empresas tivessem cancelado a sua visita», afirmou Uwe Deitersen. De seguida anunciou que Portugal, após uma interrupção em 2003, volta a estar representado ao nível dos expositores, com a empresa A.S.M. – Artur S. Martins & Filhos, localizada na Maia. Até ao momento, estão também inscritas nove empresas espanholas. A segunda intervenção esteve a cargo de Elgar Straub, representante da VDMA cuja intervenção, “Dominar o Futuro com a IMB-World of Textile Processing”, abordou temas como riscos e oportunidades da liberalização do comércio e a importância da tecnologia como elemento diferenciador. Apresentou de seguida alguns dados sobre a exportação de tecnologia de costura e vestuário, apresentando, nomeadamente, o ranking de países fornecedores a nível mundial, os principais mercados de exportação para a Alemanha, Japão e China. Depois também apresentou dados de exportação e importação de vestuário relativos a Portugal e a Espanha, focalizando a sua intervenção na análise destes dois países como “key markets” para o sector. Terminou, contextualizando todos os dados apresentados «no âmbito da importância de uma feira com as características únicas como a IMB».