Dogi Group ainda no vermelho

A Dogi International Fabrics, uma das maiores produtoras de tecidos elásticos para roupa interior e roupa de banho, continua no vermelho. A empresa espanhola, que está sediada em El Masnou, perto de Barcelona, deslizou para o vermelho no ano passado não tendo voltado ainda ao lucro. Na primeira metade do ano, a empresa registou perdas antes de impostos de 900 mil euros em comparação com lucros de 2,4 milhões de euros no mesmo período do ano anterior, devendo-se esta situação à diminuição das vendas na sua subsidiária mexicana ATA. As vendas da empresa aumentaram 29%, passando de 69 milhões de euros na primeira metade de 2001 para 97 milhões de euros nos seis meses até 30 de Junho de 2002. “Os nossos resultados na primeira metade do ano estão de acordo com as nossas expectativas. O negócio no México permanece difícil e continua a ter um impacto substancial nos nossos resultados. Os problemas no México são no entanto equilibrados pelos melhoramentos nos nossos mercados asiáticos e europeus”, afirmou o vice-presidente da Dogi, Ferran Conti. A Dogi Group, que adquiriu empresas na Alemanha, China, Filipinas e Tailândia em Maio do ano passado, afirmou que essas quatro empresas estavam a apresentar uma ‘performance’ positiva, com a Alemanha a registar lucros antes de impostos, depreciações e amortizações de 3,5 milhões de euros em comparação com os 469 mil euros no mesmo período do ano anterior. Nas Filipinas, o lucro é apresentado como tendo duplicado, enquanto na Tailândia terá subido 20% e chegado aos 668 mil euros. Na China as operações foram pela primeira vez rentáveis em Março deste ano.