Desfiles já revelaram a moda para o Inverno

Os temas para o vestuário de senhora doOutono/Inverno 2006/07 indicados pelo” Instituto Alemão de Moda” (DMI) foram confirmados pelos desfiles apresentados pelos designers. Tudo indica uma tendência inspirada em elementos aristocráticos, na elegância de um bom corte e numa maior “rigidez”. Este look foi adoptado por Comme des Graçons, Prada, Jil Sander e Balenciaga, que aparecem como os grandes inovadores. No caso dos grandes heróis como Dolce & Gabbana, Chanel, Cavalli e Armani a capacidade de inovar parecer ter ficado adormecida. Segundo os especialistas deste instituto, Milão precisa urgentemente de inovar. As referências anos 50 e 60 estão presentes nos desfiles dos referidos estilistas. Segundo Elke Giese, do DMI, é necessário encontrar novos cortes para temas já conhecidos e procurar no “arquivo” exemplos e inspirações: como eram cortadas as mangas inteiras, como se aplicavam pequenos colarinhos revirados em casacos de dupla face, etc… Finalmente existem ideias agradáveis para tamanhos grandes que apostam no conforto e em mais volume. Talvez seja necessário olhar mais para as ruas e não tanto para a passerelle, uma vez que lá se podem encontrar inovações surpreendentes. A mini-saia é prova deste facto. Passou a estar novamente em voga coordenada com o look dos anos 80 com leggings ou meias opacas e não poderá faltar na oferta dos comerciantes no próximo Outono. Os tecidos e cores para o Outono/Inverno de 2007/08 têm como tema o equilíbrio entre a força masculina dos tons e a figura feminina conferida pelas tonalidades mais suaves. O azul em combinação com tons de azul mais claro é um tema bastante forte. O dourado conquista uma posição de soberania para iluminar a neutralidade. Lã com alpaca e caxemira são elementos sempre presentes. A nova elegância escultural exige tecidos com mais classe e presença, sendo muitas vezes a lã misturada com linho para criar novos efeitos visuais, assim como os reflexos e revestimentos metalizados que dão a ideia de madrepérola. A malha é um dos temas incontornáveis com volumes em forma de envelope, na sua grande parte em jersey. A suavidade dos padrões, misturas e veludo é realçada pelas cores claras. As decorações ficam a cargo de pormenores dourados e motivos heráldicos, assim como pela presença de tule no jersey e jacquards minimalistas. O acabamento dos tecidos é extremamente importante, mesmo mais importante do que o fio escolhido para a tecelagem. A lã é estampada com pequenos motivos de filigrana, usam-se fibras elásticas, procuram-se novos efeitos ópticos, o aspecto tem de ser diferente, apelativo e único. A vitória está na diferença. No caso dos homens, o clássico é isso mesmo, clássico, e por isso permanece talcomo o comprova os desfiles de Milão e Paris. O look vencedor é o do bibliotecário chique, inteligente e disciplinado. As colecções de Nail Barret e D’Squared mostraram-se neo-conservadoras. Os jeans mantêm a sua posição assim com a tendência para o estilo metrossexual. O novo homem é austero e energético mas de uma forma elegante. O desfile da Prada esteve entre os mais aplaudidos, sendo o grande vencedor Raf Simons com as suas interpretações para a Jil Sander, que deixaram brilhar novamente o clássico. As cores e os tecidos não parecem apontar para grandes misturas, apostando em menos cor e numa forma mais objectiva. Segundo Winfred Rollmann, membro da equipa do DMI e da Première Vision, «mais é menos. Impera a calma, mas suficientemente “rica”, não tornando assim o europeu do Norte ainda mais cinzento». A imagem transmitida é de uma moda mais adulta em que o principal é o estilo próprio e não a procura desenfreada de novidades. Rollmann indica para o tema “Heróico” os tons cinzento, azul-escuro e castanho, e o bege para um look mais retro, orientado para o existencialismo. A lã e o couro sofrem lavagens, a flanela exibe padrões e as camisas riscas. A alma mística dos homens é conferida através do contraste claro/escuro, usando mesmo o vermelho para uma expressão mais dramática. O dourado, brilho e lustro são combinados com o denim selvagem, malhas, gravatas e lenços. As calças de lã com quadrados de várias cores são o must da estação, tal como o blazer imitando a pele de crocodilo ou de pelo encaracolado. O fato preto transmite o fascínio da noite. Os sobretudos de lã exibem colarinhos em pele e as camisas colarinhos rígidos. Para os individualistas existe o tema “Artístico” que recorre às cores de uma grande cidade à noite, isto é, uma grande variedade cromática combinada com verde-escuro e animada pelos veludos. Ornamentos heráldicos, jacquards e os padrões de gravata aligeiram o panorama. Os fatos são austeros, as malhas geométricas e os estampados exibem um grafismo inspirado na natureza. Um novo look, pleno de estilo, que mais uma vez se serve de formas básicas muito clássicas.