Depois da Gaudi, os protagonistas de Barcelona

Com o desaparecimento da tradicional Pasarela Gaudi e a entrada de um novo modelo de gestão, a nova Pasarela Barcelona perde internacionalidade já que onze dos quinze desfiles correspondem a empresas e designers espanhóis. Custo Barcelona, une-se aos veteranos António Miro, TCN, Armand Basi e Javier Simorra. Por seu lado, Victorio y Lucchino e Lydia Delgado estarão ausentes devido à antecipação do evento. Um ano mais, o desfile do (modista) catalão António Miro será encarregue de abrir a Pasarela. No sector é considerado um modelo de êxito, ainda que a empresa não atravesse o seu melhor momento. No passado mês de Maio, Miro tornou pública a sua decisão de deixar de lado a produção e comercialização dos seus produtos. A empresa TCN, com sede em Arenys de Mar (Maresme) utilizou a cantora mexicana Paulina Rubio como modelo na última Fashion Week, o que levou a que os modelos da TCN aparecessem nas capas das revistas e programas de televisão. A empresa, especializada em moda de banho, ainda que com uma colecção cada vez mais diversificada, está a ser dirigida por Maria Asunción Comella e Josep Maria Donat. Hannibal Laguna converteu-se num dos maiores representantes do design espanhol. Nascido em Caracas fixou-se em Alicante em finais da década de oitenta, onde situou o atelier de costura e o seu “showroom”. O forte deste costureiro é a roupa para mulher. Custo Barcelona é, sem lugar para dúvidas, o “prato forte” da renovada passarela de moda da capital catalã. O designer catalão Custodio Dalmau mostrará um avanço de colecção com a qual se apresentará na próxima semana de moda de Nova Iorque, onde se converteu num dos rostos habituais e graças ao qual deve grande parte da repercussão mediática de que gozam as suas aparições públicas na actualidade. Um dos segredos do êxito da têxtil catalã Armand Basi é que o seu nome soa a designer italiano. «Mas poderia dizer-se que poucas têxteis podem presumir ser mais catalãs que Basi que, com sede em Badalona, fabrica na Catalunha a maior parte dos seus artigos. A empresa, cujas origens remontam a finais da década dos 40 do século passado, nunca teve excessiva pressa de crescer com pontos de venda em vários países. A empresa de Javier Simorra, especializada em moda para mulheres com um poder económico elevado, conta com uma rede de 25 lojas em Espanha, entre pontos de venda próprios e franchisados. O principal objectivo da empresa, que encerrou 2005 com uma facturação de 24 milhões de euros, é implantar-se nos Estados Unidos, para o qual criou no ano passado uma filial em Nova Iorque. Javier Simorra espera contar com 14 lojas no mercado americano dentro de seis anos, um projecto para o qual reservou cerca de 12 milhões de euros. Luxoir, La Casita de Wendy, Joaquim Verdú, Sita Munt, Txell Miras, Joseph Abril, Mireya Ruiz e Konrad Muhr serão outras das estrelas que fazem parte da nova passarela.