Denimatrix na ribalta – Parte 1

Em Março de 2009, um grupo de investidores experientes comprou o que sobrou da Koramsa, empresa de denim da Guatemala, no momento em que a jóia da coroa da emblemática indústria têxtil do país tinha começado a decair, como resultado da crise internacional. A aquisição deu origem à Denimatrix que, segundo o presidente e co-fundador, Carlos Arias, está agora a fazer progressos para se tornar um “peso pesado” no jeanswear. A Denimatrix é um player muito menor e mais ágil do que a Koramsa, focada no florescente mercado dos jeans de moda. «Estamos a avançar nos nossos planos originais e a exportar cerca de 140 mil jeans por semana», explica Carlos Arias, acrescentando que os planos originais eram de 100 mil jeans. «O mercado (de retalho internacional) está de volta e temos sido capazes de nos desenvolver muito rapidamente e de fornecer produtos aos nossos clientes num curto espaço de tempo», acrescenta o responsável. O negócio da Denimatrix No acordo que deu origem à Denimatrix, Arias uniu-se com a Plains Cotton Cooperative (PCCA) – uma cooperativa texana de produção de algodão – e com outros investidores, para obter determinados activos da Koramsa, cujo proprietário na Guatemala decidiu vender, logo após a crise do crédito atingir o pico. Os investidores compraram um total de 25 milhões de dólares (cerca de 18,48 milhões de euros) de activos, incluindo infra-estruturas de produção e escritórios, e lançaram um plano de reestruturação para transformar a Denimatrix numa empresa mais pequena, pelo menos quando comparada com o seu antecessor, passando a empregar “apenas” 4.800 pessoas, relativamente às 19.600 que trabalhavam na Koramsa. A PCCA, que adquiriu a participação maioritária, fez um investimento de milhões de dólares para contratar novos funcionários mais especializados, actualizar os sistemas de informação e implantar novas instalações de lavandaria, criando uma cadeia de aprovisionamento integrada verticalmente, capaz de responder aos clientes em metade do tempo da Koramsa. O resultado permite que a Denimatrix consiga agora entregar uma encomenda em 30-45 dias, em comparação com a média de 60-90 dias da Koramsa. A Denimatrix está focada na fabricação de produtos de moda de forma rápida e com grande flexibilidade. Mais de 50% das encomendas são para menos de 2.000 unidades por semana, em comparação com as 30.000 unidades da Koramsa, que fabricava produtos mais básicos, apesar de ter sido pioneira na produção de jeans de moda na América Central. Na medida em que detém os fios de algodão utilizados nas suas fábricas, a Denimatrix pode deslocar o produto ao longo da cadeia mais rapidamente do que muitos rivais, defende Arias. Um sistema de informação mais moderno e transparente torna a integração entre cliente e fornecedor mais eficiente e economiza tempo entre a concepção e o processo de produção. Na segunda parte deste artigo vamos continuar a acompanhar a estratégia da Denimatrix, em aspectos como o posicionamento do produto no mercado.