Défice de Produtividade

Num período em que as questões relacionadas com a produtividade são tema dominante dos debates e análises de competitividade, o Observatório Têxtil do CENESTAP, apresenta uma ficha, com base em dados do Gabinete de Estudos e Prospectiva Económica, na qual se faz a apresentação da evolução da produtividade nacional no têxtil e vestuário na década de noventa, comparando ainda com alguns dos principais concorrentes e parceiros comunitários e com outros sectores de actividade. Assim e com base neste estudo disponível no www.portugaltextil.com, a produtividade no sector têxtil nacional corresponde, em 1999, a 45,3% da média da União Europeia (U.E.) e no vestuário é de 41,5%. A produtividade no sector têxtil registou uma aproximação de 7,5 p.p. à média da U.E. e no vestuário de 7 p.p., entre 1991 e 1999, que confrontado com o desempenho dos melhores sectores fica aquém da evolução por estes patenteada, entre os quais se destacam o sector automóvel, pasta e papel, electricidade, gás e água e calçado. Na Indústria Transformadora, a produtividade portuguesa é, em 1999, de 38,5% da média comunitária, superior em 6,1 p.p ao valor registado em 1991. No sector têxtil e de vestuário assiste-se a um défice de produtividade nacional face a parceiros comunitários como a França, Itália, Espanha, Alemanha. Todavia constata-se uma aproximação, entre 1991 e 1999, da produtividade têxtil nacional à média da U.E. (apesar de ser a um baixo ritmo), contrastando com a evolução em Itália e Espanha, já que neste último o nível de produtividade representava 72,8% em 1999 e 83,5% em 1991 da média comunitária, enquanto que na Itália esse valor decresceu de 118,3% em 1991 para 103,4% em 1999. No vestuário, tal como no têxtil, constata-se uma aproximação, entre 1991 e 1999, da produtividade nacional à média da U.E. (a um ritmo inferior ao do têxtil), contrastando com a evolução em Itália e Espanha, já que neste último o nível de produtividade representava 84,1% em 1999 e 69,7% em 1991 da média comunitária, enquanto que em Itália esse valor decresceu de 114,8% em 1991 para 113,5% em 1999.