De dentro para fora – que processos de logística se podem delegar?

Fazer ou comprar?- esta pergunta “esconde” um factor, muitas vezes decisivo, nas empresas no que diz respeito ao volume de negócios e ganhos. Mais particularmente no sector têxtil, as decisões tomadas necessitam permanentemente de ser questionadas, até para verificar a sua eficácia. Esta é uma conclusão de um estudo realizado pela TextilWirtschaft. Para a pesquisa foram inquiridas empresas de vestuário relativamente aos serviços na área da logística que já fazem em outsourcing e até que ponto estão satisfeitos com os serviços prestados pelos especialistas em logística têxtil. Muitos “compram” O estudo tornou claro que muitas empresas já não incluem nas suas competências centrais os serviços de logística. As empresas, sobretudo nos segmentos de sourcing e distribuição, “confiam” de forma quase institucional no know-how e na experiência dos especialistas de logística. As opções tomadas também já não se limitam apenas ao transporte de A para B.Isto pode ser comprovado pelo facto de especialistas em logística como a Meyer & Meyer, Birkart, Finitex ou Jöbstl contarem há muito no seu portfolio com empresas de acabamentos ou confecções. É evidente que muitas empresas do sector do vestuário estão a considerar “alargar” o número de serviços que podem confiar a especialistas da área. Os próximos dois anos indicam grande potencial nos temas de segurança dos artigos, assim como etiquetagem, envio e tratamento de devoluções. Segundo o que parece ser a opinião geral, todos estes serviços, deverão cada vez mais concentrar-se no país de origem. Esta é a razão pela qual quem presta estes serviços se procura adaptar e instalar as infra-estruturas ideias no local exacto de acção. As empresas optam por prestadores de serviços que, para além de as posicionarem no comércio tradicional, também o façam no comércio à distância, quer seja através de lojas virtuais na Internet ou através de catálogos. As empresas não querem ter a responsabilidade de fazer chegar a peça, com todas as fases que esse processo envolve, às mãos do utilizador final. Desta forma, cada vez mais prestadores de serviço investem num pacote total que abrange tudo o que diz respeito à encomenda, desde a sua realização até à sua entrega, envio e cobrança. Controlo- a tarefa principal Aumentando o número de empresas que recorre à prestação de serviços, aumenta também a necessidade do controlo da cadeia de fornecimento. Esta tema ganha então importância nas empresas, como comprova o artigo publicado sobre a Tom Tailor (ver notícia PT). Logística e gestão da cadeia de fornecimento passam a ser temas chave na vida das empresas, e o seu sucesso depende das soluções adoptadas nestas áreas. Quem oferece serviços, embora o possa de fazer de formas diferentes, tem sempre o mesmo objectivo: sucesso através da cooperação.