Davos vê futuro da economia global com optimismo

A maioria dos cerca de dois mil participantes do Fórum Económico Mundial que esta semana tem início na emblemática estância de Davos, nos Alpes suíços, está optimista em relação à evolução da economia e apontam o crescimento como prioridade. De acordo com um inquérito recente preparado para a 35ª cimeira de Davos (25-29 Janeiro), onde estarão presentes 2.300 personalidades de 89 países, pelo menos 65% dos convidados presentes no mediático encontro anual consideram que o mundo será mais próspero, ou muito mais próspero para as gerações futuras, conforme foi divulgado pelo Diário Digital. No entanto, 55% dos inquiridos consideram que a próxima geração viverá num mundo «um pouco menos seguro» ou «bastante menos seguro». A opinião expressa pelos líderes mundiais (homens de Estado, presidentes de empresas globais, e estrelas do mundo da arte e do desporto) foi tratada no inquérito (Voice of the Leaders) conduzido pela Gallup International com os mesmos pontos do inquérito feito a cerca de 50 mil cidadãos de mais de 60 países, relativamente a expectativas económicas e de segurança para a próxima geração (Voice of the People). Quanto às prioridades para superar os desafios globais, os responsáveis políticos e líderes de empresas partilham, basicamente, das mesmas prioridades que os cidadãos. O objectivo mais prioritário (31% dos líderes mundiais vs 17% dos cidadãos) é o do crescimento, seguindo-se a eliminação do fosso entre países ricos e pobres (17% vs 16%). As opiniões divergem na terceira prioridade (com um peso de 14% dos inquiridos dos dois lados). Os líderes apontam a questão ambiental, enquanto os cidadãos referem a credibilidade das instituições. De acordo com analistas, a cimeira deste ano, sob o tema genérico «The Criative Imperative», procura deslocar-se um pouco das questões da pobreza e da dívida dos países mais pobres (cimeira de 2005), apontando mais para os negócios e o tema do crescimento económico global.